Não são peixes, nem algas, nem plástico certamente. Chamam-lhes tunicados, fazem parte da grande família do plâncton e, nos últimos dias, têm surgido aos milhares na costa andaluza. Boa notícia: são inofensivos

 

Não mordem, nem picam, nem causam alergias. Transparentes e gelatinosos, estes seres que nos últimos dias invadiram as praias andaluzas são inofensivos. Mas, a grande quantidade de tunicados (Salpa fusiformis) que repentinamente surgiu na costa espanhola, aqui ao lado, chamou, a atenção dos banhistas que, nesta época, também chegam aos milhares às praias.







Geralmente confundidas com pequenas águas-vivas, as salpas não oferecem perigo. As bolinhas gelatinosas, que podem variar de milímetros até alguns centímetros, são inofensivas e não possuem células urticantes, que provocam queimaduras.

 

As praias do Algarve nos últimos dias da semana, umas estranhas criaturas de invertebrados de água-viva - aparência semelhantes, embora completamente inofensivos, e são chamados salpas.

O biólogo Juan Jesus Martin indicou que seu habitat natural é o mar aberto, mas sob certas circunstâncias, correntes, vento ou um aumento na luminosidade podem levar a uma "produção massiva" de salpas e pode acontecer que elas se aproximem da costa.

 



As salpas são animais multicelulares que se reproduzem rapidamente. São capazes de duplicar o seu número várias vezes por dia e  são comuns em diversos oceanos,  águas equatoriais, subtropicais, temperadas e frias.

 

 

São animais capazes de se juntar  em filas de mais de um km, e podem absorver cerca de 4.000 toneladas de CO2 por dia! Esta qualidade é muito relevante para o planeta.



Alimentam-se de fitoplâncton, proporcionado neste caso por algas. 

As Sapas ajudam a limpar os oceanos e filtram o ar que respiramos!

 

 

Turismo em Portugal

Explora restaurantes museus hoteis e muito mais em Portugal