Museu do Oriente Lisboa





O Museu Fundação Oriente está instalado no edifí­cio Pedro álvares Cabral, antigos armazéns da Comissão Reguladora do Comércio do Bacalhau em Alcântara, Lisboa.

O museu reúne colecções que têm o Oriente como temática principal, nas vertentes histórica, religiosa, antropológica e artí­stica.

A ideia de abrir em Lisboa um museu dedicado ao Oriente coincide com a instituição da Fundação Oriente, em 1988. Seguindo uma velha tradição portuguesa, a Fundação deixou-se desde sempre guiar pela sua vocação de construir vínculos entre as civilizações do Ocidente e do Oriente, que se tornaram indispensáveis para garantir um futuro de paz no século XXI. O seu legado é o espírito dos Portugueses antigos, os navegadores que inventaram a unidade do mundo. O seu propósito foi e é o de garantir a actualidade dessa visão extraordinária, que continua a ser posta à prova todos os dias. O Museu do Oriente traduz esse desígnio. As suas colecções de arte portuguesa e asiática são a demonstração mais elevada dos encontros históricos entre o Ocidente e o Oriente. No mesmo sentido, as colecções que reúnem as tradições culturais da Ásia inteira são a demonstração da sua riqueza, da sua pluralidade e do seu génio, que queremos possa ser melhor conhecido em Portugal e na Europa.



Museu da Rdio de Lisboa





O Museu da Rádio, possui um raro núcleo documental, composto por monografias e publicações periódicas, especialmente vocacionado para e estudo da evolução histórica dos receptores de rádio. Acolhe, ainda, o espólio das obras provenientes da Emissora Nacional, com alguns guiões do Teatro Radiofónico, e do seu acervo fotográfico.

Espaço dedicado às tecnologias de radiodifusão e onde está patente uma exposição de recetores de rádio, desde a sua aparição até aos nossos dias. Podem ainda ver-se grafonolas, microfones e outros aparelhos relacionados com o universo da rádio. O museu narra a história da rádio em Portugal e no mundo, desde os anos 20 até aos anos 70



Encontre as melhores lembranas de Lisboa





Se parentes e amigos pediram uma lembrança e está se perguntando o que comprar em Lisboa, como as latas de sardinhas com as datas com historia desta vez leve algo diferente para eles. Na Conserveira de Lisboa,  na Baixa, a Rua dos Bacalhoeiros 34,tudo o que vendem é comida enlatada de primeira qualidade.

A loja funciona desde 1930, quando a comida enlatada era popular porque era acessível e, agora, tornou-se um alimento enlatado gourmet . Aqui você encontra as típicas sardinhas, atum e cavalas, juntamente com mousse de bacalhau e lulas recheadas e outras coisas deliciosas.



Castelo de So Jorge. Lisboa





Com este post sobre o « Castelo de São Jorge » o meu passeio termina com as fortificações, casas senhoriais, torres, castelos ... de Portugal. Foram cerca de 350 estruturas defensivas que descrevemos em uma aventura que começou há doze anos e que foi refletida neste blog a partir de setembro de 2017. Foi uma aventura inestimável que me permitiu visitar todas e cada uma das fortificações descrito (com alguma exceção) e, portanto, conhecer a história e paisagem e as pessoas deste país amigável, que eu já considero meu.

Agora precisamos ver para onde ir. Talvez tenha decidido partir a partir de agora as torres, castelos e fortificações da Galiza, que têm muito em comum com Portugal. Já veremos. Pelo menos já visitou eles eram isto.

A escolha da última entrada não é acidental: Lisboa e o Castelo de São Jorge. É possível dizer algo sobre esta cidade maravilhosa e incomparável que não é conhecida? A única coisa que ao longo dos anos tenho visitado muitas vezes em Lisboa, e nunca me canso. Por sua paisagem, seu povo, seu know-how, sua gastronomia, sua cultura ... Estou apaixonada por esta cidade como nenhuma outra, em um país extraordinário que sempre me surpreende.

 

Breve revisão histórica de Lisboa Lisboa foi fundada pelos fenícios sob o nome de Ulissipo e logo foi conquistada pelos gregos e cartagineses. Finalmente, Lisboa tornou-se a capital da Lusitânia romana, chamando-se Olisipo . Com a queda dos romanos, tornou-se parte do reino da Galiza na Suábia até 585, quando se tornou parte do reino visigodo.

Em 711, como o resto da península, passou para as mãos dos muçulmanos, que lhe deram o nome de al-Usbuma . Alfonso II saqueada e realizada por dez anos a partir de 798 para 808. Mas a conquista final pelos cristãos ocorreu em 1147 por Alfonso Enriquez apoiado pela frota da Segunda Cruzada. Em 1255 tornou-se a capital de Portugal.

Um século XIV mercantil oligarquia tarde entronizado da dinastia de Avis eo período daria lugar a grandes descobertas do século seguinte aberto. A maioria das expedições portuguesas do Age of Discovery partiu de Lisboa durante os séculos XV e XVII, incluindo a partida de  Vasco da Gama  à Índia em 1497. No século XVI, a Casa de Indias enriqueceu ainda mais a cidade devido à comércio com a Ásia, África e Brasil, e se tornou o centro mais importante da Europa no comércio de escravos

Em 1580 o Duque de Alba derrotou tropas portuguesas sob a crise de sucessão eo rei espanhol Filipe II foi reconhecido como rei de Portugal.

A restauração da independência em 1640 e a grande riqueza vinda do Brasil deram a Lisboa uma nova era de grande esplendor.

O grande terramoto de 1 de novembro de 1755 destruiu Lisboa, o que deu oportunidade ao Marquês de Pombal , com as riquezas que vinham de Minas Gerais, de reconstruir a cidade da Baixa segundo um plano regular com grandes avenidas de estilo clássico.

A cidade caiu nas mãos de Napoleão em 1807, mas foi reconquistada pelos ingleses, pelo general Wellington. Em 1833 a monarquia constitucional que duraria até a proclamação da república em 1910 foi restaurada

Em 1932 foi instalada a ditadura de Salazar, que permaneceria até a "Revolução dos Cravos", em 25 de abril de 1974. No século XX, houve uma grande mudança demográfica e expansiva.

Em 1998, Lisboa acolheu a Exposição Universal, que mudou a face desta cidade maravilhosa. No mesmo ano houve o grande incêndio que destruiu o Chiado.

História do Castelo de São Jorge É possível que o lugar onde o castelo está localizado tenha alguma estrutura defensiva romana. No final da era romana a cidade tinha uma muralha que mais tarde ficou conhecida como Cerca Velha, reutilizada pelos muçulmanos e prologada até a época medieval. O que parece provado pelas descrições dos geógrafos muçulmanos que existiam naquele período, uma fortificação com muros altos e uma fortaleza poderosa.

Após a conquista cristã do castelo em 1147 por Afonso Henríquez, o castelo foi colocado sob o patrocínio de São Jorge, ao qual muitos dos cruzados que ajudaram Afonso I na conquista professavam devoção.

Mais tarde, entre 1179 e 1183, a fortificação resistiu com êxito às forças muçulmanas que devastaram a região entre Lisboa e Santarém. No século XIII, depois de ser proclamada Lisboa em 1255, o castelo atingiu o seu apogeu: Afonso III promoveu 1265 reparações no palácio do governador e o seu sucessor D. Dinis por volta de 1300 transformou a antiga fortaleza árabe no palácio real - o palácio da Alcazaba. Nesse período, os terremotos que afetaram a cidade em 1290, 1344 e 1356, também causaram danos ao castelo.

Sob o reinado de Fernando I de Portugal no contexto das chamadas guerras de Ferdinando (1369-1382), o castelo desempenhou um papel importante durante o cerco das forças espanholas em 1373 que vieram saquear os subúrbios de Lisboa. Antes disso, naquele ano, o soberano começou a construção de uma nova cerca na cidade, a chamada "Nova Nova" ou "Muralla Fernandina", concluída dois anos depois, e que se estendeu até a atual Baixa.

O perímetro desta cerca de Fernandina ascendia a cinco mil degraus, com as dimensões intramurais de três mil e cem de comprimento por mil e quinhentos de largura. Protegido por 77 torres e cubos, contava com mais de 30 portas e persianas.

Nos nossos dias quase não há vestígios destas cercas de Lisboa. Por esta razão, a Câmara Municipal de Lisboa abriu em setembro de 2014, um circuito pedonal marcado por 16 painéis com informação histórica, com o objetivo de os tornar conhecidos e valorizados.

O castelo também passou por obras de melhoria durante o reinado de Afonso V. Durante o século XIV tinha uma vida ativa em funções Paço Real, que terminaria em 1502, quando o tribunal foi transferido para Paço da Ribeira, deixando o castelo como aquartelamento, que sofrem com vários terremotos danos de entidade diferente. Essa função como quartel continuaria durante a união peninsular, além de ser usada como prisão.

Mais uma vez, entre 1657 e 1733 foram realizadas obras de modernização no castelo, segundo o projeto Manuel do Couto . O terremoto de 1 de novembro de 1755 causou grandes danos à fortaleza, em particular ao Hospital de los Soldados, erguido em 1673.

Então, quando a breve ocupação napoleônica, o marechal francês Jean-Andoche Junot usou o Castelo de São Jorge como sede ter que acabar com a revolta da cidade de Lisboa, quando a bandeira francesa foi içada no castelo

O " Castelo de São Jorge e permanece perto de Lisboa " foi classificado como Monumento Nacional desde 1910.

Finalmente, note que, em 1939, por ocasião da comemoração do centenário da Fundação e Restauração da nacionalidade (1140, 1640), obras de demolição, consolidação e restauração do castelo começou, todo o entendimento trabalho necessário para a reintegração plena do monumento. As obras, que continuaram ao longo dos anos 1940, moldaram a aparência do castelo hoje.

Em uma posição dominante na colina mais alta do centro histórico de Lisboa, o Castelo de São Jorge é um dos mais visitados por turistas, uma vez que suas paredes têm uma esplêndida vista sobre o conjunto da Baixa e do estuário do Tejo .

Após as obras da segunda metade do século XX, o conjunto oferece aos visitantes jardins e pontos de vista (incluindo a praça principal com a estátua de D. Afonso Henriques), a cidadela e da esplanada, uma câmara escura (Torre de Ulisses antiga Torre del Tombo), espaço para exposições, sala de reunião / recepção (Casa del Gobernador) e loja turística, além do Restaurante León

Breve descrição do castelo O castelo está situado no ponto mais alto da montanha onde o conjunto no qual mais acima na parede em torno da cidadela, a esplanada e os restos do Roman-muçulmano e cercas senta fernandina

O castelo é de planta aproximadamente retangular dividida em dois quadrados de braços por uma parede norte-sul com adarve. Uma porta através daquela parede comunica os dois lugares dos braços.

Os rostos sul e leste do castelo são reforçados por uma barbacã em ângulos retos. Este barbacã também tem adarve, ameias e altas brechas. Há uma pequena porta no lado leste e uma maior no lado sul, que é a entrada do castelo, que é acessada por uma ponte sustentada por dois arcos largos sobre o fosso que cerca a barbacã.

As paredes que circundam o castelo têm adarve e merlões e são reforçadas por 10 torres quadradas projetando-se para o exterior.

Entre essas torres podemos destacar a Torre Cisterna, no canto nordeste, que possui uma cisterna de pedra e uma armação de ferro. No canto sudeste encontramos a Torre do Observatório, também conhecida como Menagem, que é mais alta e que é acessada por escadas em duas seções. A conhecida Torre de Ulisses que antes era conhecida como Torre do Tombo, hoje abriga a câmera obscura que merece uma visita.

Do canto noroeste do castelo há um pedaço de muralha que desce para a Torre de São Lourenço, assim chamada porque era contígua a uma porta com esse nome. Alguns dizem que essa estrutura constituiu uma frente avançada da Mora Fence.

A CIUDADELA circunda o castelo nos lados N., E. e S. É cercada por uma cintura de paredes ameadas reforçadas por 6 torres e 2 cubos semicirculares. Para o norte, duas portas se abrem. Junte-se à porta chamada sim, Porta Norte e a outra a Porta de Martim Moniz.

Sul da cidadela abre a porta principal, chamada San Jorge, semelhante a um arco triunfal, sendo coroada por armas reais.

Esta porta dá acesso à ESPLANADA. Nesta Esplanada encontramos o Centro Museológico, localizado no que resta do antigo Paço Real, que também merece uma visita. É composto de três grandes salas:

O Hall das Colunas que abriga a coleção do período islâmico A Sala Cisterna, que recebe peças do resto do tempo, desde a pré-história até o século XVIII, quando o terremoto de 1755 causou grande destruição, passando pela Idade Média. A Sala Ogival que serve de recepção e área de serviço. Site Castelo São Jorge https://castelodesaojorge.pt/

Panteo Nacional em Lisboa Alfama





O Panteão Nacional, criado por Decreto de 26 de setembro de 1836, encontra-se instalado em Lisboa, na Igreja de Santa Engrácia.

É ainda reconhecido o estatuto de Panteão Nacional, sem prejuí­zo da prática do culto religioso, ao Mosteiro dos Jerónimos, em Lisboa, ao Mosteiro de Santa Maria da Vitória, na Batalha, e ao Mosteiro de Santa Cruz, em Coimbra.

Fundado na segunda metade do século XVI, o edifício foi totalmente reconstruído em finais de Seiscentos pelo arquitecto João Antunes; embora nunca chegasse a abrir ao culto, conserva, sob a cúpula moderna, o espaço majestoso da nave, animada pela decoração de mármores coloridos, característica da arquitectura barroca portuguesa. Elemento referencial no perfil da cidade e oferecendo pontos e vista privilegiados sobre a zona histórica da cidade e sobre o rio Tejo



Museu Arqueolgico do Carmo em Lisboa visita obrigaria





O Museu Arqueológico do Carmo localiza-se nas ruí­nas do Convento do Carmo na cidade e Distrito de Lisboa, em Portugal A construção da igreja do Carmo remonta ao ano de 1389, impulsionada pelo desejo e devoção religiosa do seu fundador, o Condestável do Reino, D. Nuno Álvares Pereira.

Construída sobre a colina fronteira ao castelo de S. Jorge, pela sua grandeza e monumentalidade, rivalizava com a Sé de Lisboa e com o Convento de S. Francisco da mesma cidade.

Desde cedo este espaço religioso foi considerado emblemático da urbe lisboeta e da própria identidade nacional, pelo facto de lhe estar associado o nome de um dos mais famosos heróis portugueses da Idade Média. Ao ter escolhido a igreja do Carmo para sua sepultura, Nuno Álvares Pereira marcou, de forma decisiva, toda a história do monumento gótico.A igreja e o convento receberam vários acrescentos e alterações ao longo dos tempos, adaptando-se a novos gostos e estilos arquitectónicos e decorativos, transformando-se numa das construções mais ricas e poderosas de Lisboa.

Em 1755, o terramoto, que abalou com violência a cidade, provocou graves danos no edifício, agravados pelo subsequente incêndio que destruiu quase totalmente o seu recheio. No ano de 1756 iniciou-se a sua reconstrução, já em estilo neogótico, interrompida definitivamente em 1834, devido à extinção das Ordens Religiosas em Portugal.

Desse período de reconstrução datam os pilares e os arcos das naves, que são um verdadeiro testemunho de arquitectura neogótica experimental, de cariz cenográfico.

Em meados do século XIX, imperando o gosto romântico pelas ruínas e pelos antigos monumentos medievais, optou-se por não continuar a reconstrução do edifício, deixando o corpo das naves da igreja a céu aberto. É assim criado um mágico cenário de ruína, que tanto agradava aos estetas oitocentistas e que ainda hoje encanta os nossos contemporâneos. As ruínas do Carmo transformaram-se, assim, num memorial do terramoto de 1755. 



Igreja da Memria Lisboa





A Igreja da Memória também conhecida por Igreja de N. S. do Livramento e de S. José, classificada como Monumento Nacional, é uma edificação localizada na Ajuda, Portugal. O iní­cio das obras foi por volta de maio de 1760, tendo-se celebrado a cerimónia do lançamento da primeira pedra a 3 de setembro de 1760. Fundada por D. José I, num gesto de gratidão por se ter salvo de uma tentativa de assassí­nio dois anos antes, em 1758, no local.

O monarca regressava de um encontro secreto com uma dama da famí­lia Távora quando a carruagem foi atacada e uma bala o atingiu num braço. Pombal, cujo poder já era absoluto, aproveitou a desculpa para se livrar dos seus inimigos Távoras, acusando-os de conspiração. Em 1759, foram torturados e executados. As suas mortes são comemoradas por um pilar no Beco do Chão Salgado, junto da Rua de Belém.

Esta igreja, também conhecida por Igreja de N. S. do Livramento e de S. José, classificada como Monumento Nacional, foi construída em memória do atentado sofrido por D. José I, em 1758, da responsabilidade da família Távora, e do qual o rei escapou ileso.Iniciada em 1760, segundo projecto do arq. italiano Giovanni Carlo Bibienna, foi concluída pelo arq. Mateus Vicente de Oliveira.Trata-se de uma construção barroca com características neoclássicas, que se impõe pelas linhas equilibradas e harmoniosas, sendo coroada por um zimbório. 

O projeto deste templo coube ao italiano Giovanni Carlo Galli da Bibbiena (1717-1760), arquiteto e cenógrafo bolonhês autor do Teatro do Forte ou Teatro do Salão dos Embaixadores no Palácio da Ribeira (1752-1754), Teatro real de Salvaterra de Magos (1753-1792), Teatro real da u00d3pera do Tejo (mar.1755-nov.1755) e do Teatro da Quinta de Cima ou Teatro da Ajuda. Igualmente foi responsável pela Real Barraca da Ajuda e da sua Capela Real.

A igreja da Memória é de arquitetura barroca. É composta por nave, transepto pouco saliente, com cruzeiro circular, com estreitos corredores nos braços e capela-mor. Este possui, nos braços do transepto, tribunas, com guardas semelhantes, sendo rasgada por vãos sobrepostos, colocadas no piso inferior e janelas de varandim no superior. A capela-mor é simples, seguindo as normas pombalinas, e apresenta um simples painel pintado, envolvido por uma moldura de talha, com altar paralelepipédico, tendo pilastras volutadas adossadas aos costados. No exterior surge uma torre sineira, com o interior dividido em tramos por pilastras toscanas duplas, que sustentam as coberturas em abóbadas de lunetas, amplamente iluminada por enormes janelões que se rasgam nas fachadas do imóvel e pelo tambor, óculos e lanternim da cúpula. A fachada principal da igreja é rematada com um frontão triangular, composta por dois registos divididos por entablamento. As fachadas laterais têm tratamento semelhante entre si. Estas apresentam duas partes, sendo o superior recuado. Possuem duas ordens arquitectónicas distintas, toscana no piso inferior e de inspiração corí­ntia no superior, remetendo para modelos clássicos. Estas mudança de ordem arquitetónicas ocorreu em resultado da substituição dos arquitetos.

As caracterí­sticas cenográficas manifestam-se sobretudo no exterior, na multiplicação dos planos que se desdobram artificiosa-mente qualquer que seja o ponto onde o observador se coloque. Para tal concorrem certamente o dinamismo das paredes do piso térreo, como a fachada principal ligada ás laterais por planos côncavos (esquema que se repete a poente, acentuado pela colocação da torre-sineira), e o ligeiro avanço de um corpo central das fachadas sul e norte, num jogo interessante de diferenças de movimento, acentuadas pelo ritmo inconstante das pilastras e dos vãos. Apesar da sequência das pilastra e da interrupção dos ritmos verticais, este piso não perde no entanto a sua clara leitura horizontal, percorrido como está por uma balaustrada, uma cornija e um rodapé contí­nuos, unificando todo o perí­metro do edifí­cio, onde ressalta uma movimentação sobretudo plástica dos diferentes planos da igreja.

A condução das obras até 20 de novembro de 1760, esteve a cargo do arquiteto italiano. Depois do falecimento de Bibbiena, as obras continuaram; contudo, em 1762, pararam por motivos económicos, sendo apenas retomadas em novembro de 1779. Assumindo o cargo o arquiteto Mateus Vicente de Oliveira, sendo o responsável pelo piso superior da igreja, pelo zimbório, cúpula e lanternim. Em 1785, Mateus Vicente morre, ficando por concluir a torre sineira. Em 1788, o bispo do Algarve, D. José Maria de Melo, sagra os dois sinos principais da igreja.

Hoje é a sede da Ordinariato Castrense de Portugal/Diocese das Forças Armadas.

Em estilo neoclássico, a igreja é pequena, mas graciosa com linhas equilibradas e harmoniosas, sendo o interior em mármore com pinturas de Pedro Alexandrino de Carvalho e tendo no exterior uma bela cúpula. Contudo seu pormenor mais significativo é o facto de servir de mausoléu a Sebastião José de Carvalho e Melo (Marquês de Pombal), que está ali sepultado desde 1923.



S (Catedral) de Lisboa em Alfama





A catedral românica da cidade - a Sé - é facilmente reconhecida por suas torres de sino geminadas, uma característica arquitetônica que empresta ao edifício um caráter militar ímpar.

Fundada em 1150, três anos depois de Rei D. Afonso Henriques recapturar Lisboa dos mouros, ergue-se no local de uma mesquita e fundações romanas anteriores. A catedral original foi gravemente danificada no terremoto de 1755, os tremores chovendo alvenaria em grande parte do interior. É por isso que os visitantes de hoje são recebidos com uma nave bastante simples e sombria, com pouca vantagem do suntuoso embelezamento que os fiéis do século XVIII admirariam. Dito isto, o trabalho de restauração na década de 1930 viu a reconstrução da esplêndida rosácea , uma das mais impressionantes de Portugal.

De particular interesse, no entanto, são as nove capelas incorporadas ao ambulatório, cada uma com uma história para contar - a Capela de Santo Ildefonso , por exemplo, contém os sarcófagos do século 14 de Lopo Fernandes Pacheco e sua esposa, Maria Vilalobos. Pacheco foi companheiro de armas de D. Afonso IV, enterrado com sua esposa, Dona Beatriz, na capela-mor adjacente.

Os talheres da catedral estão alojados no tesouro . Também são exibidos aqui vestes eclesiásticas, estátuas e manuscritos ilustrados. Acredita-se que os restos mortais de São Vicente foram colocados aqui, embora isso, talvez, seja o desejo dos devotos de santo padroeiro de Lisboa.

Um destaque turístico é o claustro gótico , alcançado através da terceira capela do ambulatório. Procure o portão de ferro forjado do século XIII e a fonte onde Santo Antônio, o santo favorito de Lisboa, foi batizado em 1195.

O claustro é um importante sítio arqueológico e as escavações descobriram até agora as fundações de uma casa romana do século VI e edifícios públicos mouros. Curiosamente, os arqueólogos acreditam que existe um túnel subterrâneo que liga a catedral ao Castelo de São Jorge.



Igreja de Santa Luzia (Lisboa)





Igreja de Santa Luzia ou Igreja de Santa Luzia e de São Brás é uma igreja localizada na freguesia de Santiago, em Lisboa, em Portugal. Junto à igreja, encontra-se o miradouro de Santa Luzia. Esta igreja foi construída durante o reinado de D. Afonso 

Igreja implantada sobre a cerca moura, intimamente ligada aos Cavaleiros da Ordem de Malta, cuja origem parece remontar ao séc. XII. Primitivamente, era uma igreja-fortaleza avançada sobre os arrabaldes da zona oriental da cidade. Objecto de várias reedificações, este templo traduzia, após o terramoto de 1755, uma arquitectura chã com uma fachada principal de linhas simples e inspiração clássica, exibindo, na sua fachada lateral virada para o miradouro, dois painéis de azulejos, representando a conquista de Lisboa e a Praça do Comércio antes do terramoto, executados na Fábrica Viúva de Lamego. O interior, de planta em cruz latina e nave única, destaca-se por conservar 10 sepulturas, em forma de lápides ou monumentos funerários, com inscrições em português ou latim, distribuídas pela capela-mor, transepto e nave, as quais estão classificadas como Monumento Nacional.



Igreja da Conceio Velha





A Igreja de Nossa Senhora da Conceição Velha é uma igreja localizada no centro de Lisboa, na Rua da Alfândega. Resultou da reconstrução após o terramoto de 1755 da antiga Igreja de Nossa Senhora da Misericórdia de Lisboa, sede da primeira Misericórdiado país. A sua fachada é, juntamente com o Mosteiro dos Jerónimos e a Torre de Belém, uma das melhores estruturas do manuelinosobreviventes ao grande terramoto. Está classificada como monumento nacional desde 1910.

 

A igreja está localizada na Baixa de Lisboa, perto da Praça do Comércio, na freguesia de Santa Maria Maior. O edifício combina elementos de diferentes igrejas, resultado da reconstrução realizada após o terramoto de 1755, quando a maioria dos edifícios da cidade foi destruída.

A primitiva igreja existente no local, a Igreja de Nossa Senhora da Misericórdia,era o segundo maior templo da Lisboa manuelina a seguir ao Mosteiro dos Jerónimos, em Belém. Fora mandada edificar por D. Manuel I e concluida em 1534, como sede da Misericórdia instituída em 1498 por iniciativa de Leonor de Viseu, sua irmã e viúva de D. João II de Portugal, e do seu confessor Frei Miguel Contreiras. Quando o templo foi destruído pelo terramoto, os elementos resgatados foram incorporados na nova edificação que passou a chamar-se da Conceição Velha.

Com o terramoto ruiu também a Igreja da Conceição dos Freires, que D. Manuel doara em 1502 aos freires da Ordem de Cristo. Esta igreja fora instituida no lugar da sinagoga após a extinção da Judiaria Grande em 1496. A denominação Igreja da Conceição, passou para a nova igreja reconstruida

 

Em 1502, a Ermida de Nossa Senhora do Restelo foi integrada no Mosteiro dos Jerónimos, deixando de estar sob a tutela da Ordem de Cristo. D. Manuel, que em 1496 extinguira a Judiaria Grande de Lisboa, ofereceu o terreno da antiga sinagoga aos freires, que nele ergueram uma igreja dedicada a Nossa Senhora da Conceição, que se tornaria igreja paroquial em 1568. Situava-se este templo onde actualmente se cruzam as ruas dos Douradores e da Conceição.

Em 1682, esta igreja deixou de ser sede paroquial e foi construído um edifício que passaria a ser conhecido por Igreja de Nossa Senhora da Conceição Nova. Por seu turno, a Igreja da Conceição dos Freires passaria a ser designada por Conceição Velha; tendo sido destruída pelo Terramoto de 1755, viria também a ser reedificada, não no seu local original, mas no local da antiga Igreja da Misericórdia.

 



Um dos mais sumptuosos monumentos da cidade, a Igreja da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa havia sido inaugurada em 1534 como primeira casa própria desta Confraria. Templo de três naves, o seu projecto e programa decorativo terão estado a cargo de Diogo Boitaca, João de Castilho e Nicolau de Chanterene, entre outros. Muito afectada pelo Terramoto, sobreviveram-lhe parte da fachada sul e a capela lateral do Espírito Santo, mandada edificar em finais do século XVI por D. Simoa Godinha, rica dama natural da ilha de São Tomé.

Transferida a Santa Casa da Misericórdia para a Igreja de São Roque, em 1768, depois da expulsão dos Jesuítas, o rei D. José, grão-mestre da Ordem de Cristo, decidiu a reedificação da Conceição Velha no local da antiga Igreja da Misericórdia, aproveitando os elementos sobreviventes. O projecto coube aos arquitectos Francisco Ferreira, o Cangalhas, e a Honorato Correia, transferindo-se os freires e a sua padroeira em 1770. Transformada a antiga capela lateral em capela-mor, alinhada com a fachada sobrevivente, a nova igreja, tendo a virtude de conservar estes elementos quinhentistas, ficou, no entanto, consideravelmente mais pequena e algo desproporcional.



Museu do Azulejo





É impossível sair de Lisboa sem ser fascinado pelas exibições magistrais de azulejos da cidade ( azulejos) iluminando edifícios e ruas. Uma das tradições mais importantes de Portugal, essas belezas pintadas à mão, mais comuns em adoráveis iterações azuis e brancas, chamam a atenção do Museu Nacional do Azulejo, um convento do século XVI em um local afastado. 

Aqui, pode-se apreciar obras tão complexas como um panorama de Lisboa, abrangendo duas muralhas, que captura a cidade antes do terramoto de 1755. É uma visão rara e bem proporcionada de um passado de Lisboa que até retrata casas e actividades cotidianas como fazer compras no mercado. 

Talvez de forma mais impressionante, revela a estreita relação de Lisboa com o rio Tejo. Há também uma história em quadrinhos, em forma de banda desenhada, de sete painéis, sobre a vida do fabricante de chapéus António Joaquim Carneiro. 

Inspirada em afrescos italianos e com motivos encontrados em Pompéia, é uma instalação rica em detalhes. Talvez auxiliado pelo passado do edifício, vagando por este museu é quase uma experiência espiritual. Realmente, é uma imersão íntima no artesanato venerado de Portugal.



Casa - Museu Medeiros e Almeida





A Fundação Medeiros e Almeida, criada em 1972, com o nome do fundador, é uma instituição fundada com o objetivo de dotar o País com uma Casa-Museu que tem origem na coleção de arte de António de Medeiros e Almeida (1895-1986), figura pertencente à elite social e empresarial do século XX português.

 

Tendo reunido ao longo da vida um valioso património constituído por bens móveis e imóveis, o colecionador garantiu a sua salvaguarda fazendo uma doação ao País através da constituição de uma fundação. Um memorial escrito em dezembro de 1975 é o único documento que esclarece, pelo seu punho, o que motivou a sua escolha: “…À ideia de ainda em vida constituir uma Fundação e nela integrar as suas valiosas colecções presidiu a preocupação de evitar que, após a sua morte, se verificasse a sua dispersão e abandono, como infelizmente tem acontecido noutros casos.” Dotada de personalidade jurídica, de interesse social e de utilidade pública, a entidade fundação implica o usufruto público dos bens patrimoniais que lhe foram afetos, sendo a figura jurídica de suporte à criação de entidades museológicas a que muitos outros patronos recorreram.

 



Turismo em Portugal

Explora restaurantes museus hoteis e muito mais em Portugal