Que ilha abençoada, fértil, culta e cultivada a Madeira é. Essa "ilha da eterna primavera" era um "paraíso dos naturalistas", com seu exotismo atraindo Thomas Cook e Joseph Banks.

É imensamente fértil, tudo parece crescer aqui, tendo sido colonizado por Henrique, o Navegador, que introduziu a cana-de-açúcar da Sicília e a videira Malvesia (Malmsey), mencionada por Falstaff, de Shakespeare, em Creta. E é uma ilha grande o suficiente para abrigar diferentes dialetos, com alguns pronunciando a segunda sílaba da Madeira com um E e outros com um eu.

 

Tomei-me como um turista respeitoso para a capital Funchal e sua Cidade Velha, o zona velha. É forrado com fotografias de cardápios mas gratamente é enfeitado com pequeno tat nas lojas adjacentes.

Eu tropecei no famoso mercado, o Mercado dos Lavradores. É agitado e perfumado e atua como um mercado ativo para os locais que exibem com orgulho e alegria a sua produção em pilhas pirâmide em meio às paredes de azulejos e pisos de mosaico. Que revolta de cor! Ideal para uma foto de lembrança alegre. Melhor ainda para uma caixa de quebra-cabeças quando olhei do primeiro andar abaixo para a colcha de retalhos de produtos.






Os vendedores de flores são obrigados por lei a usar suas distintas saias listradas de vermelho e amarelo junto com um bolero vermelho e uma capa vermelha. Eles certamente se destacam em sua famosa Festa da Flor da Festa da Flor em maio. É um dos destaques do calendário madeirense e inclui um desfile infantil em que cada criança carrega uma única flor para colocar em um "Muro da Esperança", a fim de pedir a paz no mundo.

Para além do passeio principal do Funchal, encontra-se o magnífico edifício cor-de-rosa salmão, conhecido como Palácio Belmond Reid, onde tive a sorte de ficar. Enquanto meu carro sacudia pelas pedras da calçada estreita, simplesmente passei as chaves para o porteiro e fiquei extremamente confortável em pouco tempo. Os funcionários foram abertos e acessíveis e era claro que este hotel top sabia como fazer luxo vivendo como tudo foi cuidadosamente pensado!

Ao longo das paredes cor-de-rosa e do piso xadrez encontram-se as grelhas cinzentas das varandas que reflectem as riscas das folhas das palmeiras. O frondoso motivo do hotel também sugere o papel de parede da Suíte Churchill. O estilo está em toda parte, com toalhas azuis da Prússia fornecidas pelos atendentes da piscina uniformizados brancos que presidem duas piscinas espaçosas que podem ser usadas até fevereiro.




Abaixo uma rota suja e feia, passando pela quadra de tênis antes convertida em pista de dança, fica o spa. Vangloria-se de "indulgências de assinatura", "rituais corporais" e "terapias faciais", enquanto os hóspedes desfazem seus roupões brancos para se renderem a mimos luxuosos e desavergonhados.

E inteligentemente utiliza a vista sobre o oceano, bem como o som das ondas batendo adicionando ao impacto global. Tudo em contraste refrescante com as fotos e gravações sonoras da natureza que eu encontro na maioria dos spas.

Estendendo-se do foyer é uma passagem estreita até o Ristorante Villa Cipriani do hotel. Tem um rústico, tradicional sentir com toalhas vermelhas de algodão e os frutos do mar no menu não poderia ser mais fresco vindo em frente, pelo que parecia do oceano abaixo. A vista levou-me a pedir um maravilhoso estilo veneziano de caranguejo com molho de limão e rábano no abacate, antes do meu filé de carne de bovino estilo Rossini acompanhado de vinho Boneca de Canudo Tinto.

 

Noutra noite, apreciei o restaurante com estrelas Michelin William, onde as criações inovadoras do Chef Luís Pestana agraciam as minhas papilas gustativas. Tem vistas panorâmicas das luzes cintilantes do Funchal que se reflectem nas janelas para se assemelharem a um céu estrelado cheio de magia e maravilha.

Depois de duas rodadas de petiscos divertidos, esforcei-me por decidir minha entrada entre a sopa creme de cenoura com gengibre, granola e mel e o ravioli de curry com abóbora e avelã amarelas. Meu prato principal foi bass do mar com cevada e espinafre seguido de uma selecção eclética do carrinho de queijo. O sommelier recomendou um copo de Pelmeira e Voltas, um vinho branco local, leve e pouco ácido.

Todo o serviço teve uma teatralidade sincronizada oferecendo surpresas a serem reveladas como presentes em todos os cursos. Que viagem mágica de degustação de tesouros e encimada por meu presente de despedida: uma caixa artesanal de chocolates requintados. Tal era a abundância do deleite de William em prazer.


Embarquei em um catamarã com Pérola Atlântica em parte para "sonhar, explorar, descobrir", como sugeria o site deles, mas mais na esperança de ver as baleias, os golfinhos e as tartarugas no mar. Quão fabuloso é vê-los e eu finalmente poderia selecioná-los da minha lista de desejos.

Cheguei ao lado do Centro de Design Nini Andrade Silva Situado no alto de um segundo andar, agora é um restaurante panorâmico, elegante e contemporâneo, que funciona como um pano de fundo para sua equipe calorosa.

Minha entrada era um carpaccio de pargo com molho de caranguejo marrom e virgem, seguido da captura do dia, crosta de mostarda, terrina de batata e alho-poró creme e, para sobremesa, um ramekin de chocolate com sorvete de maracujá. Tudo complementado por um copo ou dois do vinho recomendado Catarina 2017 Bacalhoa. Meu deleite favorito embora foi sua manteiga de carvão que eles gostaram de me dizer que você não pode comprar em qualquer lugar!




A curta distância de carro do aeroporto e situada sob a escarpa oeste da cidade, foi o meu próximo lugar para ficar, a Quinta Jardins do Lago . O charme deste hotel boutique do século XVIII de 40 quartos está em seu ritmo civilizado e ambiente tranquilo, a atenção estudada da equipe e os vegetais de origem local de seu jardim. Para não mencionar as 550 espécies tropicais diferentes nos 6 ½ acres de jardim que são incomuns para a Madeira.

E eu amei o restaurante Beresford. Comecei com queijo fresco em massa folhada crocante, salada de abacaxi, iogurte e mel de cana antes de saborear um peito de frango assado com mel de cana, limão e tomilho, nhoque de agrião e tomate cereja.

Quanto à sobremesa, experimentei a deliciosa mousse de vinho da Madeira com surpresa de fruta da floresta e brownie de chocolate e coco, todos desfrutados com o vinho Pomares Douro 2017. A clientela é pequena o suficiente para que o serviço pareça realmente pessoal e a entrega de cursos lembrava uma dança tão suave e fluida que era o seu ritmo. Quão vagaroso e edificante. Como toda a minha experiência da Madeira.













Turismo em Portugal

Explora restaurantes museus hoteis e muito mais em Portugal