Ponto de partida: Martim Moniz
Enquanto espero para apanhar o electrico, vejo um grupo de adolescentes espanhóis, um casal de turistas estrangeiros altos e loiros, uma velhinha com um saco de compras. 

Esta é a área mais multiétnica de Lisboa. O centro comercial à minha direita tem lojas chinesas que vendem… praticamente qualquer coisa, comida indiana, salões de cabeleireiros africanos e quiosques de roupas ciganos. Ao mesmo tempo, as colinas que me rodeiam são o lar de dois dos bairros mais tradicionais da cidade Mouraria

Preços dos bilhetes do electrico 28:

  • Os bilhetes de electrico são vendidos em quiosques e lojas por toda a cidade e no metro. O local mais próximo desta paragem é a Praça da Figueira . Compre o bilhete de 24 horas que lhe permitirá entrar e sair quando quiser em todos os electrico, autocarro e linhas de metro. Custo: 3,95 euros .
Sento-me junto à janela e a brisa fresca que entra é um bom alívio do calor. Os velhos electrico amarelos percorreram essas colinas desde antes da Segunda Guerra Mundial, de modo que não há toques modernos como o ar-condicionado e, conforme me movo, sinto-me embalado pelo clichê das engrenagens e trilhos.

 

Nós começamos a subida. A colina aqui é tão íngreme que até mesmo os habitantes mais experientes cambaleiam toda vez que o carro pára e começa com um puxão súbito.




Paragem 1: Graça




Eu olho em volta para os velhos prédios de azulejos e casas palacianas e me sinto feliz que muitos deles ainda são mantidos ou estão sendo restaurados. No pequeno jardim do Largo da Graça , homens de cabelos louros lêem o jornal enquanto crianças pequenas perseguem os sempre presentes pombos.

O sino da igreja da Graça soa quando estou no adro da igreja, de frente para o miradouro. Alguns caras estão tocando violão, bebendo cerveja e fumando juntas. Eu acho que já os vi aqui antes.




À minha frente, Lisboa abre. O Castelo de S. Jorge à minha esquerda esconde a maior parte do rio Tejo, que mostra apenas um pouco de si antes que a próxima colina bloqueie a vista. Abaixo de mim e cobrindo todo o resto estão telhados de todas as formas e cores. Parece uma cidade lúdica.

Dicas:

  • O quiosque / café neste ponto de vista, à esquerda do adro da igreja, é bom para uma cerveja, café ou lanche. Geralmente há sempre pessoas aqui, mas tem uma vibe muito legal. Se quer mais tranquilidade, há outro ponto de vista à direita, ao redor da igreja.
  • Descendo a Voz do Operário para a esquerda, onde o electrico faz sua próxima parada, estão os terrenos da Feira da Ladra , às quintas e sábados, até as 17h. É um ótimo lugar para pechinchas reais e algumas risadas para os itens ridículos vendidos (roupa íntima de segunda mão, alguém?). Na mesma área encontra-se a igreja de S. Vicente de Fora , com paredes caiadas de branco e um mosaico interior baseado nas fábulas de La Fontaine .
Descendo a Calçada de S. Vicente , vejo os turistas prendendo a respiração enquanto o electrico roça as bordas das sacadas e soa seus sinos, para que os carros que chegam na direção oposta não o atinjam. Todos eles permanecem enquanto eu saio.




Paragem 2: São Vicente

Volto a S. Vicente e viro à direita. Eu estou em Alfama . Ao cavar a vizinhança, as ruas ficam mais estreitas e entrelaçadas. Eu me perco de propósito. As casas começam a ficar menores, algumas restauradas e outras quase paradas, pequenas escadas aparecem nos cantos, eu subo e desço e dou voltas.

É um labirinto habitado por homens de meia-idade com bigodes e bochechas rosadas, homens jovens com atitude, senhoras idosas vestidas de preto olhando pela janela, crianças brincando e gritando nas ruas, e a luz se filtrando entre as árvores, os cantos e a vidro da janela. Aqui, as pessoas vivem como faziam 50 anos atrás.

De volta ao electrico, vou para…

Parada 3: Portas do Sol Alfama

Este é o lugar onde deve sair se estiveres a ir para o Castelo de S. Jorge (e deve!).

Dirijo-me ao miradouro à direita e olho novamente para o Tejo. Eu estou do outro lado da colina agora, com o castelo nas minhas costas. Agora eu posso ver o rio para os dois lados com os telhados de Alfama descendo até ele. Um navio alto está atracado no porto, como se lembrasse a todos que esta é a Cidade dos Descobrimentos.

O lugar está cheio de turistas, mas é impossível escapar deles aqui.

 Preços 

  • Deste ponto para a Catedral de Lisboa (Sé) é em declive, com pontos de vista, cafés, lojas de artesanato urbano e galerias de arte. É melhor descer e olhar em volta. Se é uma pessoa freqüentadora de igreja, pode entrar na catedral; também à sua frente, à direita, a igreja de Santo António , onde nasceu o padroeiro de Lisboa. Pessoalmente, eu gosto do visual de fora e prefiro andar pela catedral e me perder nas ruas laterais.

Paragem 4: Rua da Conceição

Eu estou agora no centro. Andando pela Rua da Conceição , lembro-me da minha amiga Carole e de como ela era louca pelas armarinhos que a revestem. Olhando para as velhas prateleiras cheias de lenços coloridos, botões, miçangas, faixas, agulhas e fios, lembro-me que tenho uma jaqueta que está faltando um botão há um ano e entro em uma das lojas.

Eu escolho um botão e pergunto a velha senhora atrás do balcão sobre negócios. “É o suficiente para fazer uma vida simples. Agora, com os turistas, está ficando melhor ”. Eu sinto pena de nós como um povo; Nós sempre tivemos um problema em valorizar nossas próprias coisas. Eu prometo voltar novamente.

 

Virando à esquerda na Rua Augusta e passando sob o Arco do Triunfo, estou de frente para o Tejo, atravessando a Praça do Comércio , uma das maiores praças da Europa. A luz refletida no chão branco, as colunas brancas e o rio, e a inexplicável quase ausência de som, apesar do tráfego, me fazem sentir como se estivesse em uma bolha de vidro.

 

Sob os arcos que cobrem os 36.000 m2, os turistas que se movimentam lentamente misturam-se a locais de ritmo acelerado que se dirigem para o transporte público ou aos prédios públicos amarelos que nos tocam. No meio, mais turistas se concentram em torno da estátua do rei D. José, enquanto grupos dispersos de jovens estudantes sentam-se no chão e repassam notas.

Atravessando a praça, sento-me no recentemente reaberto Cais das Colunas , meus pés quase tocando a água. São apenas alguns degraus que levam a duas colunas que emolduram o rio, mas estão lotadas desde o primeiro dia.

Racionalmente eu não entendi, mas novamente eu estive sentado aqui nos últimos 20 minutos assistindo os cacilheiros atravessarem o rio e as gaivotas voarem.

Dicas:

  • Se quiser se perder em seus pensamentos onde Pessoa costumava, em um pastel de nata e um café, vá ao café mais antigo de Lisboa. Martinho da Arcada está sob os arcos, à esquerda do Arco do Triunfo, na R. Augusta .
  • Se quiser ver mais do centro, caminhe pela Rua Augusta até o Elevador de Sta Justa , um elevador de 109 anos projetado por um discípulo de Gustave Eiffel. Vai levá-lo para a área do Carmo , onde as ruínas do Convento e Igreja do Carmo , destruídas no terramoto de 1775, contêm os únicos vestígios da antiga arquitectura gótica em Lisboa. De lá, pode caminhar até o Chiado .
Tentando apanhar o electricode novo na Conceição , tenho que deixar passar antes que eu possa entrar. Empresários desabotoam seus ternos enquanto pulam e amaldiçoam os turistas. Sentada ao meu lado está uma velhinha com um conjunto de gêmeos preto e branco, colar de pérolas e o cheiro doce, mas muito forte, de perfume de estilo de vovó, segurando firme sua bolsa e sua bolsa de farmácia.

Paragem 5: Chiado

À medida que nos aproximamos dessa área, ainda mais pessoas entram; são os alunos das escolas de artes e cinema nas proximidades.

Saio em frente à Brasileira , o café mais famoso de Lisboa, mas é muito lotado para o meu gosto. Em vez disso, voltando para a mesma rua, vejo a praça em frente à Ópera de São Carlos , do café ao lado do Teatro São Luis .

Dicas:

  • Se o tempo estiver bom, é sempre melhor estar do lado de fora, mas se vier no inverno ou se estiver chovendo, o interior deste café é forrado de estantes e é ótimo para um chá quente.
  • Para chegar às ruínas do Carmo , caminhe pela Brasileira e vire à esquerda na Sacramento .
  • Seguindo a linha do electrico, fica a Praça de Camões , o ponto de encontro de todos que se dirigem ao Bairro Alto à noite e também um local agradável para um refresco tradicional em um quiosque. Refrescos são bebidas doces feitas de acordo com receitas tradicionais, com ingredientes portugueses únicos - coisas como limonada, capilé e groselha que não são mais servidas em cafés e restaurantes. Há quatro quiosques em Lisboa que recuperaram esta tradição; este é um deles.)

Consigo me espremer no electrico e ficar ao lado da senhora motorista. Mais três pessoas entram e o resto fica para trás. Na próxima parada a fila é ainda maior e ela não para. “É como se eles crescessem do chão, os turistas. Eles continuam chegando! ”Ela descarrega.

De repente, ela bate a mão na testa: “Ah, esqueci de dizer àqueles espanhóis onde eles deveriam sair para ir ao castelo…. Eles são muitos, perguntando sobre diferentes paradas… Seja como for… ”e com um movimento repentino ela abre a janela e grita para a rua“ Eh, boa vida sua! Eu quero o seu emprego! ”É um colega do funicular da Bica conversando na rua.

Paragem 6: Basílica da Estrela

Deixo como os espanhóis estão perguntando se o castelo ainda está longe.

Descemos a Calçada do Combro , passamos pelo Parlamento pela Calçada da Estrela e agora estamos em frente à Basílica da Estrela . Do outro lado da rua é o Jardim da Estrela . Eu ando pelos portões de metal verdes e me sento nos bancos do parque, verificando os malabaristas e o casal fazendo acrobacias entre duas árvores.

Gorjeta:

  • Se gosta de poesia, a casa de Fernando Pessoa está por perto. Passeie pelo jardim à esquerda, até a Rua da Estrela . Vire à esquerda na Rua Coelho da Rocha . É o número 16. A casa é um museu e um centro cultural, mostrando alguns dos móveis de Pessoa, sua biblioteca pessoal e uma biblioteca de poesia. Conferências e workshops também são realizados aqui.

Paragem 7: Campo de Ourique

A próxima parada do electrico é um bairro residencial, conhecido por suas lojas de rua e vida no café. Eu fico apreciando os edifícios e as cenas de rua enquanto se dirige para sua última parada em frente ao cemitério dos Prazeres .

Dicas:

  • mercado de Campo de Ourique é um dos mais conhecidos em Lisboa. Viu um retorno recentemente, em parte por causa de suas lojas externas: uma chocolateria gourmet, um mercado biológico, joalherias e lojas de roupas, e as tradicionais lojas de roupas, açougues e lojas de calçados. Os estandes internos ficam abertos apenas até as 14h, e o dia mais movimentado é o sábado, quando os jovens se juntam aos clientes mais antigos que vêm aqui desde que foram inaugurados nos anos 30.
  • Em frente ao mercado fica a Igreja Sto Contestável , com vitrais de Almada Negreiros (pintor, escritor e contemporâneo de Pessoa ).
 
 
Enquanto se prepara para começar a mesma rota de volta ao contrário, o electrico está quase vazio.
Parada 8: Calhariz
Eu entro no Sta. Bairro de Catarina , ao seu ponto de vista. Termino o meu dia a ver o sol se pôr sobre o Tejo, sentado ao lado da gigantesca estátua de Adamastor , um Super Bock na minha mão, tambores sendo tocados por um grupo de rastafáris à minha esquerda. Esta é a cidade que eu não sabia que amava tanto ... minha cidade.