Fica a 2 horas de Lisboa é uma das aldeias históricas mais bonitas de Portugal

Fica a 2 horas de Lisboa é uma das aldeias históricas mais bonitas de Portugal

Descobrir esta aldeia do Xisto Talasmal representa mergulhar no mundo mágico da Serra da Lousã e embrenhar-se numa vegetação luxuriante por onde espreitam veados, corços, javalis e muitas outras espécies.




Está é, desde há muito, a Aldeia do Xisto da Serra da Lousã que tem dado mais visibilidade e carisma ao conjunto. Pela sua dimensão e disposição, mas também pelos muitos pormenores das recuperações das suas casas. E também pela forma como a aldeia nos seduz pela boca.

 

A fonte e o tanque emitem a melodia que acompanha a nossa visita. As casas decoram-se com os ramos das videiras.

A ruela principal acompanha o declive da encosta, num percurso íngreme. Dela derivam quelhas e becos, que criam um ambiente de descoberta que todos gostam de explorar à espera da surpresa de um novo recanto.

 

 
 
 
Ver esta publicação no Instagram

A post shared by @places_and_other_stuff

 

Descobrir esta aldeia representa mergulhar no mundo mágico da Serra da Lousã e embrenhar-se numa vegetação luxuriante por onde espreitam veados, corços, javalis e muitas outras espécies. Aqui reina a Natureza, sensível, que pede respeito.

 

 
 
 
Ver esta publicação no Instagram

A post shared by I tour you (@itour_you)

 

Mas que permite inúmeras possibilidades de lazer e de desportos ativos. Aqui sente-se o pulsar da terra e a sua comunhão com os homens quando se avistam ao longe as aldeias. Parecem ter nascido do solo xistoso, naturalmente, como as árvores.

 

 
 
 
Ver esta publicação no Instagram

A post shared by Sofia (@sofia_s_rod)

 

A malha urbana é complexa, distribuindo-se o casario por uma encosta mais orientada a sul (a maioria) e por outra mais orientada a norte. A ruela principal acompanha o declive da encosta, num percurso íngreme.

 

Dela derivam quelhas e becos que criam um ambiente de descoberta que todos gostam de explorar à espera da surpresa de um novo recanto. O material de construção predominante é o xisto, de tons escuros, e a quase totalidade das fachadas dos edifícios não possui qualquer reboco.

 

 

Em termos gerais, a história desta aldeia é comum às histórias das restantes quatro Aldeia do Xisto do concelho da Lousã.  A fixação da população nas aldeias da Serra da Lousã terá ocorrido a partir da segunda metade do séc. XVII ou pelo início do séc. XVIII. Até então a ocupação seria apenas sazonal, na primavera e verão, nomeadamente com actividades pastoris. De facto no “Cadastro da população do reino (1527)“ nenhuma destas aldeias é referida no termo da Lousã.

 

 
 
 
Ver esta publicação no Instagram

A post shared by Ricardo Almeida (@stories.of.a.lifetime)

 

Os documentos mais antigos que indiciam a sua ocupação são uma multa infligida pela Câmara da Lousã em 1679 e o registo de propriedades foreiras ordenado por D. Pedro II, de 1687. No início do séc. XIX apenas o Candal e a Cerdeira escaparam ao saque do exército napoleónico. Em 1885 a população das sete aldeias (as cinco Aldeias do Xisto, mais Catarredor e Vaqueirinho) corresponderia a 8,7% do total da freguesia da Lousã (5340 habitantes).

 

 
 
 
Ver esta publicação no Instagram

A post shared by Nuno F Barbosa (@nfbarbosa)

 

Atingiu o auge de população residente em 1911, com 129 habitantes. Possuiu escola e dois lagares de azeite.  A escola foi o orgulho da "população que se quotizou para a construir. Depois, quando ficou pronta, faltaram os professores, e, quando eles vieram, faltaram os alunos, até que, em 1975, foi encerrada quando apenas duas crianças a frequentavam". Em 1981 já só existiam dois habitantes permanentes. Atualmente, todos os primitivos habitantes já partiram. Muitos para outros continentes. As casas mudaram de proprietário e foram transformadas em segunda habitação, em unidades de alojamento ou estabelecimentos comerciais.

 










O que visitar e conhecer em Portugal

Visitar Alentejo os 17 melhores locais

Visitar Alentejo os 17 melhores locais

Fica no Alentejo um dos castelos mais pequenos de Portugal Castelo de BelverO Castelo de Belver destaca-se no topo de uma colina nesta paisagem onde a vegetação exuberante contrasta com as águas calmas do rio Tejo. Para os amantes de caminhadas e caminhadas, há um calçadão de madeira ao longo da margem do r...
Os 10 melhores lugares para visitar em Tavira

Os 10 melhores lugares para visitar em Tavira

Praia de Santo AntónioEsta praia a que fica mais perto da fronteira com Espanha e est na foz do rio Guadiana.Praia da Ilha de TaviraA praia da Ilha de Tavira ou praia das Quatro águas é uma praia marí­tima do concelho de Tavira, no Algarve, Portugal. Situa-se na extremidade oriental da Ilha de Tavira, em pleno Par...
As 10 melhores coisas para fazer no inverno em Elvas

As 10 melhores coisas para fazer no inverno em Elvas

Igreja de Nossa Senhora da Assuno ElvasA Igreja de Nossa Senhora da Assunção, antiga Sé de Elvas, localiza-se na Praça da República, na freguesia da Assunção, cidade e concelho de Elvas, no distrito de Portalegre, em Portugal. Em termos artísticos, a Sé de Elvas é um templ...
As 10 melhores actividades para fazer e visitar em Alcobaça

As 10 melhores actividades para fazer e visitar em Alcobaça

Praia de gua de Madeiros AlcobaaCom um areal extenso cercado por arribas altas, a Praia de Água de Madeiros possui infraestruturas de apoio completas que incluem bar, restaurante e a possibilidade de alugar cavalos para passear entre o pinhal que a rodeia. Na área abrigada, onde existem fabulosos estratos sedimentares de calcá...