Casa - Museu Medeiros e Almeida





A Fundação Medeiros e Almeida, criada em 1972, com o nome do fundador, é uma instituição fundada com o objetivo de dotar o País com uma Casa-Museu que tem origem na coleção de arte de António de Medeiros e Almeida (1895-1986), figura pertencente à elite social e empresarial do século XX português.

 

Tendo reunido ao longo da vida um valioso património constituído por bens móveis e imóveis, o colecionador garantiu a sua salvaguarda fazendo uma doação ao País através da constituição de uma fundação. Um memorial escrito em dezembro de 1975 é o único documento que esclarece, pelo seu punho, o que motivou a sua escolha: “…À ideia de ainda em vida constituir uma Fundação e nela integrar as suas valiosas colecções presidiu a preocupação de evitar que, após a sua morte, se verificasse a sua dispersão e abandono, como infelizmente tem acontecido noutros casos.” Dotada de personalidade jurídica, de interesse social e de utilidade pública, a entidade fundação implica o usufruto público dos bens patrimoniais que lhe foram afetos, sendo a figura jurídica de suporte à criação de entidades museológicas a que muitos outros patronos recorreram.

 



Museu Coleo Berardo Belm Lisboa





O Museu Coleção Berardo é uma instituição museológica de referência em Lisboa. Foi inaugurado em 25 de Junho de 2007 e acolhe exposições temporárias e uma coleção permanente (Colecção Berardo), representativa da arte moderna e contemporânea, nacional e internacional.

A Fundação de Arte Moderna e Contemporânea - Coleção Berardo (Decreto-lei 164/2006 de 9 de Agosto) foi criada a 9 de Agosto de 2006; é esta instituição que gere e organiza o Museu Coleção Berardo de Arte Moderna e Contemporânea, presentemente instalado no Centro Cultural de Belém. O seu acervo é composto por 862 obras e está avaliado pela leiloeira Christie´s em 316 milhões de euros.

Espaço museológico de referência em Lisboa, no Museu Coleção Berardo o visitante pode desfrutar do melhor da arte moderna e contemporânea. Tanto na mostra permanente da Coleção Berardo como no leque alargado de exposições temporárias, é possível encontrar obras de artistas dos diversos contextos culturais e das variadas expressões que construíram a história da arte do último século.

O Museu Coleção Berardo conta ainda com um diversificado programa de atividades para todas as idades (por exemplo, percursos pelas exposições e visitas-atelier em família) que, de uma forma original e pedagógica, dão a conhecer os grandes nomes da arte nacional e internacional, como Marcel Duchamp, Pablo Picasso, Salvador Dalí, Andy Warhol, Francis Bacon, Maria Helena Vieira da Silva ou Helena Almeida.



Memmo Alfama Melhor escolha de bares em Alfama, Castelo e Graa





Uau, que vista! Alfama desdobra-se como origami a partir do terraço elegante do Hotel Memmo Alfama . É um lugar perfeito para o pôr-do-sol, com vistas sonhadoras sobre os telhados, pináculos e até o Rio Tejo (e, infelizmente, o novo terminal de navios de cruzeiro). Cocktails custam € 7,50 a € 10.



Torre de So Vicente de Belm Lisboa (Ou torre de Belm)





A " Torre de São Vicente de Belém " é, sem dúvida, um dos monumentos mais emblemáticos da capital portuguesa. E um dos mais visitados e não só por estar perto do espetacular Mosterio dos Jerónimos.

O projecto inicial surge do plano de defesa da barra do Tejo iniciado por João II nas primeiras décadas do século XV (ver As vicissitudes da fortificação do estuário do rio Tejo ). Este plano incluiu a construção da Torre de Santo António,em Cascais, como um miradouro avançado no estuário, e a torre de S. Sebastião da Caparica , que atravessaria os fogos com a projectada Torre de Belém. Desta forma, uma vez terminada, a defesa marítima da capital seria simbolicamente assegurada pelos três santos de Lisboa por excelência.

Mas a torre só seria construída durante o reinado de seu sucessor, D. Manuel.Enquanto isso, no meio do Tejo estava ancorado o Grande Nau, um navio de 1000 toneladas fortemente armado, que provisoriamente complementava as baterias terrestres.

 

A Torre foi construída entre 1514 e 1520 pelo arquiteto Francisco de Arruda , supervisionado pelo Mestre de Obras do Reino, Diogo de Boytac , que na época dirigia as obras do Mosteiro dos Jerónimos. Recém-chegado do Norte de África onde trabalhou em várias fortalezas portuguesas, Arruda conseguiu criar uma fortaleza vocacional moderna e universal, digna da efervescente Lisboa manuelina.

A estrutura é constituída pela torre de residência acastillada, de tradição medieval, e pela fortificação abaluartada, de concepção absolutamente moderna.

 

A função militar é reservada para o bastião, que avança sobre as águas em três andares (subsolo, nave e terraço). O baluarte, ou plataforma de artilharia avançada, é poligonal em design e cobre uma ampla área de fogo. Está adaptado para os primeiros usos da pirobalística em Portugal, com 16 aeronaves endereçáveis e localizadas ligeiramente acima do nível médio de água, o que permite a prática de tiro rebote.

A torre residencial, com quatro andares abobadados, é um eco das tradicionais torres medievais de homenagem. Os seus quartos (que vivem Salão dos Reis do Governador, Salão de Audiências e capela no piso superior, sob o terraço) são reservados para funções civis e de culto.

No entanto, os elementos que mais se destacam na construção são, sem dúvida, os decorativos. Assim, a função defensiva que domina o conjunto é conjugada com numerosos motivos de inspiração fantásticos e uma influência simbólica do Maghrebi e orientadora

Entre os motivos decorativos mais proeminentes é o famoso rinoceronte esculpida na base de uma portaria, provavelmente inspirado no rinoceronte foi trazido para Lisboa (ele caiu ao lado das obras da torre) da Índia em 1515 e tanta expectativa criada em a época.

A Torre de Belém foi classificada como Monumento Nacional em 1910, registrada no Patrimônio da Unesco em 1983 e escolhida em 2007 como uma das 7 maravilhas do país.

 



Pr do Sol no Miradouro da Senhora do Monte





Este spot é o melhor miradouro de Lisboa!

Leve uma garrafa de vinho tinto, um cobertor e desfrute da melhor vista sobre Lisboa enquanto o sol se põe!

É o local perfeito para terminar o dia depois de um dia longo e longo na cidade.

É também um local bastante romântico, por isso uma das muitas coisas românticas para fazer em Lisboa para casais.



Museu do Azulejo





É impossível sair de Lisboa sem ser fascinado pelas exibições magistrais de azulejos da cidade ( azulejos) iluminando edifícios e ruas. Uma das tradições mais importantes de Portugal, essas belezas pintadas à mão, mais comuns em adoráveis iterações azuis e brancas, chamam a atenção do Museu Nacional do Azulejo, um convento do século XVI em um local afastado. 

Aqui, pode-se apreciar obras tão complexas como um panorama de Lisboa, abrangendo duas muralhas, que captura a cidade antes do terramoto de 1755. É uma visão rara e bem proporcionada de um passado de Lisboa que até retrata casas e actividades cotidianas como fazer compras no mercado. 

Talvez de forma mais impressionante, revela a estreita relação de Lisboa com o rio Tejo. Há também uma história em quadrinhos, em forma de banda desenhada, de sete painéis, sobre a vida do fabricante de chapéus António Joaquim Carneiro. 

Inspirada em afrescos italianos e com motivos encontrados em Pompéia, é uma instalação rica em detalhes. Talvez auxiliado pelo passado do edifício, vagando por este museu é quase uma experiência espiritual. Realmente, é uma imersão íntima no artesanato venerado de Portugal.



Museu Nacional de Histria Natural e da Cincia Lisboa





Museu Nacional de História Natural e da Ciência/Museus da Universidade de Lisboa (MUHNAC/MULisboa)

é um organismo da Universidade de Lisboa que tem como missão promover a curiosidade e a compreensão pública sobre a natureza e a ciência, através da valorização das suas colecções e do património universitário, da investigação, da realização de exposições, conferências e outras acções de carácter cientí­fico, educativo, cultural e de lazer. O Museu inclui as secções de história e cultura material da ciência, zoologia, antropologia, mineralogia e paleontologia. O seu espólio, do foro cientí­fico-cultural, é o resultado em grande parte da investigação do próprio museu, e de diversas expedições cientí­ficas para alem das doações. É um local privilegiado para investigadores de todas as nacionalidades, que com o estudo do património cientí­fico preservado, permite o desenvolvimento de teses de licenciatura, mestrado e doutoramento.

O Museu Nacional de História Natural e da Ciência também produz ou acolhe exposições permanentes e temporárias, é ainda sede de conferências, debates, promove cursos de formação bem como um variado tipo de eventos tendo sempre como objetivo a divulgação cientí­fica, cultural e artí­stica.

O Museu conta também com uma forte vertente ligada í s Artes Plásticas, tendo durante 25 anos exposições na Sala do Veado. Actualmente, conta com exposições de arte contemporanea em outros locais das suas instalações, como por exemplo a antiga loja, atrio ou laboratórios. Já contou com artistas como, Sofia Areal, Jorge Molder, Miguel Branco, Ana Vidigal, Joana Vasconcelos, Alexandre Estrela, entre outros.



Ncleo Arqueolgico: Uma Incrvel Viagem Pela Lisboa Oculta





Uma das atrações turísticas mais incomuns de Lisboa é o extraordinário museu arqueológico situado na Rua Augusta, no bairro da Baixa da cidade. O museu foi construído em torno de escavações que revelaram os restos mortais de habitações da Idade do Ferro e tanques romanos de preservação de peixes descobertos por uma equipe de construção durante a construção de um novo banco. Arqueólogos foram chamados e à medida que o trabalho progrediu, mais artefatos foram descobertos, incluindo mosaicos romanos, uma câmara funerária cristã do século 5 e as fundações da tribo mourisca.paredes e pavimentos. Os desenvolvedores escolheram construir um site que foi ocupado por diferentes civilizações ao longo de muitos milhares de anos. De fato, cerâmica e moedas do período medieval também foram encontradas e fundações do século XVIII identificadas. Em vez de intimidar este fascinante tesouro de várias camadas , decidiu-se preservar todo o local construindo sobre e em torno dele.



Museu do Benfica





Aqui, é feito o contraponto entre os primeiros tempos e a atualidade do Clube. De um lado, os testemunhos das primeiras vivências. Do outro, a atual dimensão da instituição Sport Lisboa e Benfica, na sua vertente desportiva, social e patrimonial.

De todas as modalidades e de todos os escalões: os troféus da última temporada estão aqui. É o Benfica de hoje! Um Benfica de outros títulos também. Como o do clube com mais sócios no mundo! Esse e outros pergaminhos ganham forma na comunicação dos traços mais fortes da sua identidade. Em contraponto, o Benfica de ontem. Documentos únicos testemunham as dificuldades do início. Desfilam memórias pioneiras. Entre elas, o troféu oferecido por Bernardino Costa – ex-líbris da coleção, que documenta, desde 1911, a popularidade do Clube. Essa remota capacidade de cativar expressa-se hoje no compromisso social, sob a chancela da Fundação Benfica.

 

Neste espaço, estão expostos os símbolos das 19 conquistas internacionais das modalidades, lado a lado com alguns dos principais atletas que, através dos seus feitos desportivos, enriqueceram a história do Clube e do desporto nacional em diferentes modalidades.

Depois da conquista pioneira – a Taça Ibérica de râguebi, 1971 – novos troféus se acrescentaram com a chancela internacional. Para além dos domínios da bola oval, também no atletismo, no hóquei em patins, no basquetebol e no futsal o Clube fez fama ao mais alto nível. E se pode ser visto este mundo de conquistas como pináculo de glória, não são menos de ser vistos os protagonistas. Ao longo do tempo, graças à prática de várias dezenas de modalidades, representaram o Benfica alguns dos melhores desportistas mundiais. Verdadeiras joias do ecletismo, acham-se neste lugar os seus nomes e as suas memórias.



Elctrico 28 o Top passeio de Lisboa pelos bairros Alfama, Castelo e Graa





Não saia da cidade sem andar de eléctrico popular 28E do Largo Martim Moniz. Este passeio frágil, estridente e gloriosamente antiquado, da Praça Martim Moniz ao Campo de Ourique, proporciona 45 minutos de vistas emocionantes e subidas absurdamente íngremes. Com seus painéis de madeira polida, pintura amarela e acessórios cromados, o bonde centenário é como o modelo em tamanho natural de um exigente colecionador da Hornby Railways.



Convento do Carmo um dos igrejas mais antigos da cidade





As ruínas esqueléticas da igreja do Carmo estão entre os mais evocativos de todos os monumentos históricos de Lisboa. Construído com um design gótico quase exclusivo, este tesouro carmelita foi construído entre 1389 e 1423. Resplandecente ao seu convento adjacente, Carmo já foi a igreja mais distinta da cidade. Mas na manhã de domingo, 1 de novembro de 1755, que aconteceu no Dia de Todos os Santos, um terremoto devastador atingiu a capital portuguesa. Os violentos tremores quase destruíram a maior parte do edifício, e centenas de adoradores morreram sob a queda de alvenaria. O coro resistiu às ondas de choque, mas o resto da igreja nunca foi reconstruído.



Convento do Carmo e Museu Arqueolgico





Elevando-se acima de Lisboa, o esquelético Convento do Carmo foi praticamente devorado pelo terramoto de 1755, e é precisamente isso que o torna tão cativante. Seus pilares despedaçados e arcos tipo "wishbone" estão completamente expostos aos elementos. Os abrigos Museu Arqueológico tesouros arqueológicos, tais como sarcófagos 4-século, fragmentos de coluna Grifo-coberto, século 16- azulejo (azulejo pintados à mão) painéis e duas múmias peruanas repulsivas do século 16.



Turismo em Portugal

Explora restaurantes museus hoteis e muito mais em Portugal