Esta cidade da Região Centro de Portugal é bastante discreta, exceto por um monumento de grande sucesso: o fascinante Mosteiro de Alcobaça. Em 2007, este complexo gótico património mundial foi declarado uma das sete maravilhas de Portugal. O monumento é o lugar de descanso final para o rei Pedro I, do século XIV, e para a sua amante, Inês de Castro, cujas vidas foram assombradas pela tragédia.

Enquanto isso, as realizações técnicas em todo o mosteiro quase imploravam a crença. Depois disso, você poderia ficar na trilha do mosteiro, parando em duas mais próximas. Há mais museus e atrações para mantê-lo na cidade, enquanto a imponente costa atlântica fica a apenas 15 minutos de carro.

Vamos explorar as melhores coisas para fazer em Alcobaça :

1. Mosteiro de Alcobaça

O primeiro edifício gótico em Portugal, este mosteiro real tem uma obra surpreendente de uma sucessão de movimentos artísticos.

A nave da igreja do século XII é a expressão mais pura desse antigo desenho gótico, com 20 metros de altura e 17 metros de comprimento, conferindo-lhe uma leveza sobrenatural.

A obra toda é deslumbrante, seja no portal manuelino da sacristia ou no claustro gótico e renascentista do silêncio.

Há também histórias emocionantes para descobrir, como o amor proibido entre Pedro I e sua amante Inês de Castro, que foi assassinada pelo pai de Pedro, Afonso IV. A alvenaria em seus túmulos do século XIV, encomendada pelo próprio Pedro, é incomparável.

2. Museu do Vinho de Alcobaça

Numa antiga adega, este museu mapeia as conquistas de um José Raposo de Magalhães, um produtor do século XIX que mudou para sempre a viticultura de Alcobaça.

Na década de 1870, ele assumiu essa vinícola, equipando-a com a mais recente tecnologia e aplicando todos os novos avanços científicos feitos no campo do cultivo de uva e fermentação.

O museu e sua coleção são o seu legado, e há mais de 8.500 itens para ver, como prensas portáteis, barris, rótulos históricos, garrafas, ferramentas agrícolas e alambiques de cobre, coletados em todo o país.

Durante todo o tempo, você fará um tour perspicaz pelas caves e destilaria, com uma sessão de degustação para esperar pelo final.

 

3. Castelo de Alcobaça

No topo de uma colina alta, na periferia da cidade, estão as ruínas do castelo de Alcobaça.

Tem sido assim desde que foi desmantelado e extraído durante o reinado da rainha Maria II na década de 1830.

O sítio remonta pelo menos aos mouros, e depois da Reconquista no século XII foi doado à ordem cisterciense, cujos monges plantaram vinhas na encosta, literalmente plantando as sementes da indústria vinícola local.

E embora o castelo tenha sido abandonado por quase 200 anos, há grandes porções das paredes e manter-se debruçado.

O melhor de tudo é a vista ininterrupta da cidade e do mosteiro, no sopé da colina e da Serra dos Candeeiros, no horizonte a leste.

4. Mosteiro de Santa Maria de Cós

Depois do Mosteiro de Alcobaça a próxima parada na trilha é na vila de Cós no mesmo município.

Foi criado no século XII, depois de Alcobaça como um lugar para viúvas que queriam levar uma vida monástica.

Eventualmente, tornou-se uma comunidade regional para freiras cistercienses e foi reconstruída com seu design atual em 1600.

Enquanto o exterior pode parecer reservado, a nave e a capela-mor têm proporções notáveis.

O coro tem 106 lugares, e há tetos em caixotões, azulejos dos anos 1600 e 1700 e altar com ricos trabalhos em madeira dourada.

5. Praia dos Salgados

Com a Costa de Prata ao alcance, você poderia passar uma tarde ensolarada na praia.

Grande parte da costa nesta região tem uma natureza irrestrita e quebra o surf do Atlântico.

E a Praia do Salgado preenche todas essas caixas.

No verão, você pode relaxar na areia branca e observar as ondas gigantescas.

Muitas vezes essas águas não são seguras para mais do que mergulhar os dedos na lavagem.

Isso não tira nada da paisagem, e aquela grande porção de areia perfeita e colinas altas, sem árvores, cobertas de arbustos de urze, zimbro e pinho.

 

6. Baía de São Martinho do Porto

Também no município de Alcobaça, e a uma curta distância da Praia do Salgado, encontra-se uma praia igualmente bonita que não podia ser mais diferente.

A Baía de São Martinho do Porto é o que resta de uma enorme lagoa costeira, que outrora se estendia por muitos quilómetros para o interior.

Agora é uma grande baía, a forma de uma concha de molusco, quase totalmente cercada por falésias, exceto por um canal esguio entre dois promontórios.

Durante a Era Portuguesa dos Descobrimentos, nos séculos XV e XVI, essas águas abrigadas eram um ancoradouro para as caravelas.

E ao contrário da maioria das praias nas proximidades, as crianças estão seguras para brincar na água aqui.

7. Ruínas da Capela de Santana

Os promontórios que defendem a entrada da baía de São Martinho do Porto são fascinantes e merecem um olhar mais atento.

Você pode fazer isso em uma trilha que leva você para o lábio sul.

E mesmo que o terreno inspirador possa fazer a rota parecer desafiadora, essa é uma caminhada leve que quase qualquer um pode fazer.

Os panoramas no final são sua recompensa, contemplando o oceano, toda a baía e o balneário de São Martinho.

Também aqui em cima estão as ruínas de uma capela, construída em 1712 e deixada a desintegrar-se lentamente nos últimos 50 anos.

8. Farol da Nazaré

Este farol está no topo de um promontório estreito e incrustado em um forte marítimo do século XVI.

A arquitetura é interessante, mas fica no banco de trás do que você enfrenta abaixo: A visão do mar batendo contra as rochas irregulares é espetacular e aterrorizante.

Isso é até um desfiladeiro submerso a uma curta distância gerando ondas gigantes.

Quando as condições estão certas, entre outubro e março, o surf pode atingir alturas inacreditáveis, e as pessoas são loucas o suficiente para montá-lo e quebrar recordes no processo.

9. Funicular da Nazaré

Há mais drama na Nazaré graças ao promontório que se ergue por trás dos bairros à beira-mar.

No topo há uma pequena aldeia, O Sítio com um santuário, mas até que este funicular foi colocado na década de 1890, a peregrinação ao santuário era onerosa.

Peregrinos mais ricos foram literalmente puxados para cima a inclinação em tapetes! As locomotivas a vapor originais desapareceram há muito tempo, sendo substituídas nos anos 60 por um sistema elétrico e atualizadas novamente nos anos 2000.

Os trens partem em intervalos curtos e fazem o trabalho leve da inclinação de 42%.

10. Santuário de Nossa Senhora da Nazaré

O Sítio é uma pequena comunidade fofa e, claro, as vistas são maravilhosas, abrangendo toda a extensão da Praia do Salgado, assim como a baía de São Martinho.

O santuário tem uma história de fundo repleta de lendas: o xerife de Porto de Mós foi salvo de cair do penhasco durante uma caçada ao invocar a Virgem Maria, e esta capela deveria ter sido construída em memória do evento.

A igreja do santuário é de 1300, mas foi renovado até o século 19.

A capela-mor tem um elaborado altar de madeira dourada e teto de caixotões, enquanto os painéis de azulejos azuis e brancos no transepto retratam passagens da Bíblia como Jonas e a Baleia.

Estes foram pintados pelo holandês Willem van der Kloet em 1708.

11. Mosteiro da Batalha

Com outro mosteiro do Patrimônio Mundial da UNESCO a 15 minutos de Alcobaça, você pode continuar o tema.

Batalha (Batalha) foi iniciada em 1386 para comemorar a vitória portuguesa sobre a Espanha na Batalha de Aljubarrota no ano anterior.

Levaria mais de um século para ser concluído e o resultado desse trabalho é um dos melhores monumentos góticos da Europa.

O trabalho em pedra na nave (abóbadas altas), o claustro do rei João I, a capela inacabada e a capela dos fundadores são simplesmente fascinantes.

Este último contém os túmulos delicadamente esculpidos do rei João I e sua rainha Filipa de Lancaster, assim como seus quatro filhos.

Um deles foi Henrique, o Navegador, que ajudou a reivindicar Madeira, os Açores e partes da África Ocidental para Portugal no século XV.

12. Parque Natural das Serras de Aire e Candeeiros

  Os picos de giz arredondados dessas cadeias de montanhas têm uma qualidade cinematográfica que você pode apreciar em caminhadas, passeios de bicicleta e passeios a cavalo.

Mas, apesar de toda a beleza fluida sobre o solo, há ainda mais coisas abaixo da superfície, onde os rios subterrâneos escavaram os sistemas das cavernas.

Nada menos que quatro foram disponibilizados ao público: Mira dAire, Moeda, Santo António e Alvados.

Outra visão natural que vale a pena dar um passo a mais é nas encostas orientais da Serra de Aire, onde pegadas de dinossauros dos 175 milhões de anos atrás foram descobertas em uma pedreira.

Estes foram deixados por saurópodes, medem quase um metro de comprimento e são alguns dos mais bem definidos do mundo.

13. Parque dos Monges

 

Uma opção familiar fora de Alcobaça, este parque tem um tema medieval solto.

Você paga uma pequena taxa para entrar, e então as atrações e atividades têm preço adicional.

As crianças podem praticar canoagem no lago do parque, praticar tiro com arco ou escalar, pedalar pelo tirolês ou visitar os recintos dos animais com cangurus, tartarugas, macacos e alpacas.

Há também uma vila medieval recriada e lojas com iguarias tradicionais, enquanto você pode assistir a encenações históricas com cavaleiros a cavalo.

E, além disso, o parque tem grandes gramados convidativos com muita sombra, então você pode apenas procurar um local tranquilo e ter um piquenique familiar descontraído.

14. Norpark

 

Quando a bandeira vermelha foi hasteada nas praias, a sua alternativa é este parque aquático em terreno alto junto à Nazaré.

É um tamanho relativamente modesto, mas tem o suficiente para manter os jovens felizes, principalmente crianças de nove anos ou menos.

Para crianças pequenas, há uma piscina rasa com playground e obstáculos para escalar.

Há também quatro escorregas para crianças mais velhas e uma piscina de 25 metros para nadar ou apenas se refrescar.

Manipuladores de animais visitam o parque com cobras e aves de rapina, e há um programa de atividades nas áreas gramadas para que ninguém fique entediado.

15. Comida e Bebida

 

comprar uma lembrança em Alcobaça, tem que ser uma garrafa de ginja.

Com uma cor rubi intensa, este é um licor de cereja feito a partir de um tipo de cereja azeda cultivada localmente e seguindo uma receita transmitida pelos monges cistercienses.

Também repassadas pelas comunidades monásticas de Alcobaça, há uma série de receitas de confeitaria, todas usando gemas de ovos.

Pão de ló é um fofo e o pudim de ovos é um tipo de pudim coberto com uma calda doce.

Um prato principal clássico que existe há séculos é o frango na púcara, frango cozido em panela de barro com cenoura, presunto, chouriço, manteiga, mostarda, conhaque e ervas.