A poucos quilómetros do centro do Porto, Matosinhos é onde os residentes do Porto vêm para descontrair e jantar. Durante muito tempo, essa era a fonte dos peixes e frutos do mar da cidade, e o mercado e a profusão de restaurantes de frutos do mar permanecem a partir dessa época.

Matosinhos também tem uma das melhores praias da região do Porto, com ondas amigáveis ao surf durante todo o ano, se as condições forem adequadas. A orla marítima também ainda é defendida por fortalezas do século XVII, e há história na forma de igrejas barrocas e medievais, e um dia para as crianças no aquário Sea Life.

Vamos explorar as melhores coisas para fazer em Matosinhos :

1. Igreja do Bom Jesus de Matosinhos

 

Esta igreja remonta a meados do século XVI, mas quase tudo que você vê agora é de um redesenho barroco exuberante do século XVIII.

Essa expansão foi feita pelo arquiteto italiano Nicolau Nasoni e financiada por emigrantes que fizeram fortuna no Brasil.

A fachada é magistral, com janelas e pilastras que possuem curvas sinuosas.

Há três portais e uma massa de granito esculpida, formada em frontões e alcovas, com estátuas de São Pedro e São Paulo.

O interior irradia com madeira dourada, tanto nas capelas laterais como no altar principal.

Tome um momento para conferir o órgão, que foi feito em 1685 no estilo Hamburgo pelo holandês Michael Hensberg.

2. Praia de Matosinhos

 

A maior praia de areia na área do Porto tem um arco amplo e sedutor de areia clara.

Durante muito tempo a actividade industrial ao largo impediu Matosinhos de ganhar a Bandeira Azul, mas foi-lhe atribuída esta marca de qualidade nos últimos anos.

Como esta é uma praia do Atlântico, a água estará viva e as correntes poderão ser um pouco fortes para os nadadores inexperientes.

Mas as areias espaçosas, o amplo calçadão e a variedade de bares e restaurantes compensam isso,

 

3. Ela muda

 

Suspenso acima da rotunda atrás da praia é uma peça de escultura pública.

Este é o trabalho da americana Janet Echelman e feito em 2005. Foi a primeira instalação pública permanente de Echelman, e ela passou a produzir esculturas para cidades do Canadá e dos EUA. No seu estilo já estabelecido, She Changes é um arranjo leve de redes circulares de 45 metros de diâmetro que remonta à indústria tradicional de pesca de Matosinhos.

A rede está em uma variedade de cores e densidades, por isso parece diferente dependendo da hora do dia ou ângulo de visualização.

4. Sea Life Porto

 

O maior aquário do Norte de Portugal fica mesmo em Matosinhos, a poucos metros da praia.

Há 5.800 habitantes aqui, de mais de 100 espécies em mais de 30 tanques.

O maior deles, o Reino do Neptuno, tem um túnel submerso pelo qual você pode passar.

Os tubarões são muitas vezes as estrelas do espetáculo, e o Sea Life Porto tem pontas pretas e variedades menores, como tubarões-lixa e os tubarões-zebra de aparência estranha.

Estas são unidas por criaturas locais e exóticas, como polvos, raias, cavalos-marinhos, águas-vivas e espécies de água doce do rio Douro, como a carpa e a truta.

5. Porto

 

Matosinhos pode parecer uma cidade auto-suficiente, por isso pode ser fácil esquecer que está apenas a 15 minutos de metro do centro do Porto.

Se há um lugar para começar, é o bairro da Ribeira, na margem norte do Douro.

Esta é sob a Ponte Dom Luís I, um marco duradouro construído por um dos fundadores da Companhia Eiffel.

Na margem sul, em Gaia, estão as veneráveis pousadas portuárias, enquanto que, se você subir a colina, chegará a monumentos como a Catedral, a Torre dos Clérigos e o extraordinário Palácio da Bolsa.

E mesmo assim, você mal fez as coisas para ver nesta cidade.

 

6. Mosteiro de Leça do Balio

 

Tem havido uma igreja neste patch pelo rio Leça desde os anos 900.

E pode até ter havido um templo romano aqui antes, como na antiga estrada romana que ligava Porto a Braga, no norte.

Quando a igreja ficou sob o controle dos Cavaleiros Hospitalários no século XIII, eles deram a aparência de guerra que têm hoje, com uma torre quadrada resistente defendida por ameias e equipada com alças de flechas.

Dentro, dê uma olhada nas capitais das colunas mostrando cenas bíblicas e a estátua funerária reclinada do legista Frei Cristóvão de Cernache, do século XVI.

7. Casa-Museu Abel Salazar

 

O célebre cientista, artista e pensador social do século XX, Abel Salazar, passou 30 anos da sua vida em Matosinhos e a casa onde viveu foi transformada em museu.

Este edifício de três andares é dedicado principalmente à arte de Salazar, que é no estilo neo-realista e inclui cobre martelado, desenhos de caneta, esculturas, pinturas a óleo e esboços.

Para mostrar a você como os talentos de Salazar eram diversificados, você pode ver seu laboratório doméstico no segundo andar, com salas cheias de equipamentos e revelando sua pesquisa em biologia que o destacou na década de 1920.

8. Parque da Cidade

 

O maior parque urbano de Portugal faz fronteira com Matosinhos ao sul e tem 83 hectares de gramados e bosques, começando em frente à praia.

Foram nove anos em construção, entre 1993 e 2002, e concebidos pelo arquitecto paisagista Sidónio Pardal.

Há um tema antigo vago para os jardins, com pequenos pavilhões, pérgulas apoiadas por pedras de granito.

No canto nordeste você encontrará o Pavilhão da Água, uma exposição sobre a água, seu ciclo, função e importância para a humanidade.

9. Jardim da Foz

 

Para um passeio restaurador à beira-mar, basta seguir para a Avenida Montvideu, que é traçada por um longo jardim ao lado de uma extensão rochosa da costa do Atlântico.

Há gramados aqui, e a densa vegetação oferece muita sombra no verão.

A magia vem da visão do Atlântico batendo contra as rochas, e algumas das obras públicas instaladas aqui na década de 1930.

Estes estão no estilo Art Deco, e foram formados por algumas das principais luzes do período, como Irene Vilar, Henrique Moreira e Manuel Marques.

Há uma homenagem aos marítimos locais, uma estátua do escritor do século XVI Luís de Camões e uma bela fonte monumental.

10. Mercado de Matosinhos

 

Como já viveu do oceano, Matosinhos tem uma afinidade por frutos do mar, e o lugar para entrar em contato com essa tradição é na Rua França Júnior.

O prédio também é muito especial: é um pavilhão branco em curva datado de 1944 e reformado nos últimos dois anos.

Como parte desta renovação, escritórios e estúdios foram criados para jovens designers nas galerias acima do mercado.

Estes merecem um olhar rápido, mas a manchete é o corredor abaixo, e você pode vir apenas para olhar para os balcões repletos de peixes e frutos do mar frescos.

É um dos primeiros pássaros como a melhor época para visitar é a primeira coisa de manhã.

 

11. Fortalezas Marinhas

 

Depois que a independência de Portugal foi restaurada em 1640, Porto começou a fortalecer suas fortificações atlânticas para afastar os ataques da marinha e dos corsários espanhóis.

Duas permanecem em Matosinhos e mostram poucos sinais de desgaste.

O mais bem preservado é o Forte de Nossa Senhora das Neves, do outro lado do rio Leça, e embora não seja aberto ao público, sua configuração de bartizans e estrelas é fotogênica.

Mais abaixo fica o Forte de São Francisco do Queijo, da mesma época e repousando sobre um promontório ao sul da praia de Matosinhos.

Este tem uma forma trapezoidal e um pequeno museu militar dentro.

12. Serralves

 

A sudeste de Matosinhos, a caminho do centro do Porto, encontra-se um espaço cultural que abriga um parque, uma vivenda Art Deco e um museu de arte contemporânea.

A villa, a Casa de Serralves, foi construída entre os anos 20 e 40 e é um local para algumas das exposições temporárias do museu.

É possivelmente o melhor exemplo de arquitetura Art Deco de Portuga e tem acessórios de Émile-Jacques Ruhlmann e o fabricante de vidros René Lalique, que projetou a clarabóia no salão principal.

Os jardins em frente a vila estão em 18 hectares e organizados em parterres.

Há fontes e pérgulas, e um beco muito grande forrado com árvores de goma.

O museu em si foi fundado em 1999 e apresenta shows de curta duração da arte contemporânea; Joan Miró, Christoper Wool, Luc Tuymans, Claes Odenburg, Roni Horn e Franz West estão presentes desde o início.

13. Museu da Farmácia

 

Este fantástico museu está escondido no bairro industrial do Porto, por isso não recebe tantos visitantes quanto poderia.

Mas fica a uma curta distância de Matosinhos e garante o esforço para chegar lá.

Há vasos, morteiros e instrumentos da Grécia Antiga, Roma, Mesopotâmia, China, além de civilizações como os astecas e incas.

As melhores partes são as reconstruções de várias farmácias: há uma de Macau no Brasil colonial, uma farmácia do século 18 que costumava ser no Porto, e uma das mais recentes adições é um farmacêutico islâmico, trazido aqui peça por peça de Damasco. .

14. Surfar

 

Outra eleva Matosinhos acima das outras praias em redor do Porto é a ausência de rochas.

Estes são restritos ao extremo sul da praia de Matosinhos, e como a praia é tão exposta, você pode surfar aqui em qualquer época do ano, se as condições forem adequadas.

Quando houver vento soprando no leste, você terá uma boa quebra de recife com ondas rolantes.

Existem também oito escolas de surf em Matosinhos para o caso de você ou os seus filhos se inspirarem para começar aqui.

15. Culinária

 

Os residentes do Porto vêm a Matosinhos propositadamente para comer peixe e marisco, que é directamente do oceano e surpreendentemente acessível.

A quantidade de restaurantes fará sua cabeça girar; Existem literalmente pontuações na área, muitas delas em torno do Porto de Leixões.

Se você tem um grande apetite você pode ir para um prato de frutos do mar, que terá caranguejo, mariscos, cracas de ganso (uma especialidade especial), camarão e lagosta.

Também são muito tradicionais as sardinhas assadas, servidas com batata nova, e o bacalhau salgado (bacalhau), em suas dezenas de preparações diferentes.

Combine tudo com o vinho verde, um vinho jovem e crocante do Vale do Minho, no norte de Portugal