A maior parte da herança de Lisboa está condensada nas vistas maravilhosamente preservadas da culturalmente rica e charmosa Alfama, onde os hóspedes podem notar alguns vestígios da influência árabe e do passado de pesca de Lisboa. Os becos estreitos de Alfama e pequenas praças convidam a explorar os seus recantos escondidos, cheiros únicos de peixe, os sons do fado e a roupa fresca pendurada para fora das janelas - todos eles criam uma comunidade local simpática que, apesar de humilde hospedagem pelos padrões de hoje, permanecem de mente aberta e brilham de felicidade. Este guia é uma compilação das dez melhores coisas para ver e fazer em Alfama, em Lisboa.




Bica Do Sapato




Localizado em frente à Estação Ferroviária de Santa Apolónia, este restaurante gourmet pode ser encontrado no antigo edifício do porto. Possui um local amplo e espaçoso e uma vista fantástica sobre o Porto do Cais da Pedra. Bica do Sapato é privilegiada com um terraço aberto, que é protegido do vento por paredes de vidro que não distraem de apreciar a maravilhosa vista do rio Tejo. Este lugar tem sido na moda desde a sua abertura há 15 anos, porque proporciona um ambiente fresco e um menu não convencional. O menu muda de acordo com a estação e novos cursos são introduzidos com frequência. Este lugar é atípico, já que oferece uma variedade de opções gastronômicas, desde a cafeteria casual até um restaurante com ambientes impecáveis e um sushi bar. A Bica do Sapato é famosa pelo seu compromisso em proporcionar a melhor qualidade e os funcionários são profissionais e simpáticos.

 

Av. Infante D. Henrique, Armazém B, Cais da Pedra e Sta Apolónia, Lisboa , +351 218 810 320

 
 
 

 

Museu do Fado

Museu do Fado foi inaugurado em 1998 e incorporou itens pertencentes a centenas de pessoas relacionadas com esta maravilhosa e encantadora tradição cultural da música de fado . O Museu do Fado é um testemunho vivo de paixão e dedicação que nunca pára, e ajudou músicos, fabricantes de instrumentos e investigadores a obterem a estima excepcional que a prática do fado desfruta hoje. A principal ideia filosófica do Museu do Fado é promover a rica arte do fado através de extensas colecções de periódicos, posters, instrumentos musicais, fonógrafos, figurinos, medalhas e outros artefactos. Assim, o museu conseguiu criar um fadointeirouniverso com espírito próprio e histórias sem fim, que tem inspirado muitas comunidades musicais portuguesas e o público internacional.

 

Largo do Chafariz de Dentro, Lisboa , +351 21 882 34 70

 

Panteão Nacional de Santa Engrácia









Construído em 1681, o Santa Engracia é o Panteão Nacional , e tem uma enorme cúpula central e um terraço no último piso, de onde um panorama deslumbrante de 360 graus de Lisboa aguarda o seu prazer. Foram necessários três séculos para completar o Panteão Nacional, que é caracterizado em estilo barroco e concluído usando pedra branca. No interior há uma área espaçosa cheia de ar, esculturas em mármore coloridas e enterros memoráveis de muitos artistas e intelectuais portugueses famosos. No topo da cúpula existe uma plataforma de visualização de 360 graus que oferece vistas imbatíveis do rio Tejo, do porto de Lisboa e de Alfama, que se abrem na sua magnífica beleza sob os seus pés.

 

Largo de Santa Clara, Lisboa , +351 218 854 820

 

Fundação Jose Saramago

Este edifício incomum com mais de mil picos foi inspirado no palácio de Veneza. Foi construído em 1523 e apresenta janelas em estilo manuelino. O edifício foi transformado em uma fundação dedicada em nome de José Saramago, um autor vencedor do Prêmio Nobel, onde uma enorme biblioteca é realizada e eventos literários especiais são executados. Há também uma escavação arqueológica no piso térreo, que apresenta itens que remontam ao período romano e algumas peças únicas, como partes da muralha medieval de Lisboa. Também conhecida como Casa dos Bicos , o edifício foi construído no século XVI e é hoje um importante centro cultural de Lisboa.

Horário de funcionamento: Ter-Sáb 10 am-6pm

Rua dos Bacalhoeiros, 10, Lisboa , +351 21 880 2040

 

O Mosteiro de São Vicente de Fora

Corajosamente situado num dos pontos mais altos de Alfama, o Mosteiro de São Vicente de Fora apresenta um exterior imaculadamente caiado de branco e torres altas com um terraço no último piso, a partir do qual pode ver o incrível horizonte de Lisboa. Apesar de ter muitas vantagens, a igreja raramente fica lotada, já que os turistas ficam muito ocupados com outras atrações. A Igreja de São Vicente também merece uma visita para explorar sua coleção de 100.000 peças de azulejos barrocos, que é reconhecida como a maior do mundo. No interior é um local espaçoso, com uma vibração sinistra e um mausoléu escuro, o local de sepultamento da dinastia da família Bragança.

Horário de funcionamento: seg-sáb 8 am-5pm; Dom, das 8h às 12h

Largo de São Vicente, Lisboa

 
 

Feira da Ladra

A Feira da Ladra traduz literalmente como a feira dos ladrões, no entanto os vendedores afirmam que nenhum objecto que trazem para venda alguma vez foi roubado. É o mercado de pulgas mais antigo e vibrante de Lisboa e é especializado em antiguidades e artigos em segunda mão, incluindo livros frágeis, cerâmicas, vidros e moedas empoeirados e também repleto de bugigangas antigas. Aqueles com muita paciência e um pouco de sorte serão recompensados com algumas jóias escondidas.

Horário de funcionamento: das 7h00 às 14h00, sáb 7h às 18h

Campo de Santa Clara, Lisboa , +351 21 817 0800

 

Miradouro da Senhora do Monte









O remodelado Miradouro da Senhora do Monte recebeu este nome devido à antiga capela de Nossa Senhora do Monte, fundada em 1147, escondida junto ao miradouro. Esta pequena plataforma de observação é um dos melhores locais para vistas panorâmicas de tirar o fôlego de Lisboa e é o ponto mais alto de Alfama. O Miradouro da Senhora do Monte orgulha-se de ter um ângulo total da vista da cidade, bem como de vista para o Castelo de São Jorge e bairros como o Chiado e a Baixa.

Rua da Senhora do Monte, 50, Lisboa

 

O Museu Nacional do Azulejo

Um dos pontos turísticos mais exclusivas de Lisboa, o Museu Nacional do Azulejo , reuniu alguns milhares de azulejos azulejos, e apresenta a história da arte da telha cerâmica e conta a história de como ele se tornou uma tradição cultural e nacional em Portugal. A colecção é constituída por azulejos decorativos de diferentes idades e períodos, desde o século XV até ao final do século XIX. Os vários salões do museu abrigam diferentes tipos de azulejos, apresentando todos os tipos, desde formas mouriscas geométricas a azulejos renascentistas e góticos. Uma visita a este museu será uma boa oportunidade para aprender mais sobre a história e tradição cultural de Portugal, bem como observar a cronologia e a evolução do mestrado em azulejo .

 

Rua Madre de Deus, 4, Lisboa , +351 218 100 340

 
 

 

Se de Lisboa

Erguida no século XII, a Sé Catedral , também conhecida como a Catedral de Lisboa, é a igreja mais antiga de Lisboa. Possui detalhes dos estilos de arquitetura românica e gótica, que fazem com que pareça mais um castelo maravilhoso. Apesar de ser chamada Catedral de Lisboa, não pode rivalizar com o Mosteiro dos Jerónimos na bela arte da sua escultura e decoração exterior, no entanto, é uma importante igreja católica romana para os habitantes locais. Nos fundos da entrada estão localizados os claustros do século XIV, com descobertas romanas e mouriscas de escavações arqueológicas. No andar de cima pode encontrar um tesouro com uma coleção de pedras preciosas e pedras preciosas, emprestadas da coleção do rei José do século XVIII.

Horário de funcionamento: diariamente das 9h às 19h

Largo da Sé, Lisboa , +351 21 886 6752

 

Museu de Artes Decorativas Portuguesas

Localizado no local do antigo Palácio Azurara, do século XVII, o Museu de Artes Decorativas Portuguesas apresenta numerosos exemplos de arte decorativa do período entre os séculos XV e XIX. A colecção é composta por têxteis adquiridos a nível local e internacional, mobiliário, pinturas, talheres, porcelana chinesa, faiança portuguesa e azulejos.O museu abriga a Fundação Ricardo do Espírito Santo Silva, que reúne um grande número de artefatos históricos que ainda lembram o nobre espírito de seus proprietários. Ricardo do Espírito Santo Silva era um banqueiro rico e um ávido conhecedor de todas as coisas belas. Em 1953 doou o Palácio Azurara e parte da sua colecção privada ao Estado Português. Deste modo, a Fundação, em seu nome, foi criada como Museu-Escola, com o objectivo de proteger e divulgar as Artes Decorativas Portuguesas e o artesanato relacionado com elas. Hoje, além do Museu, a Fundação conta com 18 Oficinas de Artes e Ofícios tradicionais portuguesas que mantêm vivo um patrimônio intangível muito significativo do savoir-faire.e assegurar uma intervenção especializada no património português através do laboratório de conservação e restauro. ( pode visitar as oficinas de artes e ofícios de segunda a sexta-feira por nomeação).

Horário de funcionamento: diariamente das 10h às 19h

Largo das Portas do Sol, 2, Lisboa , +351 218 814 600