Roteiro pelas ilhas dos Açores e locais a visitar

As nove ilhas dos Açores são diferentes nas suas paisagens, nos seus encantos.Todas têm, porém, como pontos comuns, a presença dos verdes vicejantes, das flores, dos fenómenos vulcânicos que numas deixaram maravilhosas lagoas no fundo de caldeiras e crateras, noutras misteriosas grutas, furnas, tubos e, no caso da ilha do Pico, uma majestosa montanha. Visitar os Açores é penetrar num mundo onde a Natureza mostra toda a sua exuberante beleza e a presença humana é facilmente esquecida ao sentirmo-nos transportados para o universo primitivo

Os amantes de férias activas encontram nos Açores, para além das suas excepcionais capacidades naturais, os equipamentos e os serviços necessários à prática dos seus desportos favoritos. Campos de golfe, centros de ténis, passeios a pé, a cavalo, de bicicleta, de scooter e de viaturas todo-o-terreno, montanhismo, espeleologia e parapente permitem viver nos Açores dias diferentes.

Os Açores e o mar são inseparáveis mesmo nos desportos. Iates de todo o mundo escalam as marinas das ilhas do Faial, São Miguel eTerceira para a visita às outras ilhas ou para a travessia do Atântico. A possibilidade de conhecer o arquipélago a partir do mar aumenta com a oferta de passeios turísticos, o aluguer de barcos a motor ou à vela com ou sem tripulação. Mergulho, pesca desportiva, surfing e windsurfing são outros desportos praticados nos Açores.

 

Festas Populares

 

A religiosidade dos açorianos expressa-se nas suas festas que mantêm a devoção e o colorido do passado. A sua mais significativa manifestação são as Festas do Espírito Santo, de raiz medieval, comuns a todas as ilhas e oportunidade de confraternização da população (Maio a Setembro). O calendário das festividades dos Açores começa com os folguedos do Carnaval (ilhas da Graciosa eTerceira).

No quinto domingo depois da Páscoa tem lugar o principal acontecimento religioso dos Açores: as Festas do Senhor Santo Cristo dos Milagres (Ponta Delgada ilha de São Miguel). Em Junho, os antigos trabalhos agrícolas revivem no cortejo etnográfico das Festas Sanjoaninas (Angra do Heroísmo, ilha Terceira).

A Semana Cultural dasVelas (ilha de São Jorge), a Festa do Emigrante (ilha das Flores) e as Festas de Santa Maria Madalena (ilha do Pico) são os principais acontecimentos do mês de Julho. Agosto é, sem dúvida, o mês da animação e convívio. Ao Cais de Agosto (São Roque, ilha do Pico) seguem-se as Festas de Praia da Vitória (ilhaTerceira), a Semana do Mar (Horta, ilha do Faial), o Festival Maré de Agosto (ilha de Santa Maria) e, a terminar, a Semana dos Baleeiros com o col

 

SÃO MIGUEL

 

São Miguel, a maior ilha, orgulha-se das suas paisagens de verdes e flores, das suas grandes e bonitas lagoas, da vida buliçosa de Ponta Delgada. Panoramicamente debruçada sobre uma larga enseada, Ponta Delgada é o coração turístico de São Miguel. Museus, igrejas, palácios que guardam tesouros de arte e história, ruas com história juntam-se a hóteis, restaurantes, lojas. E a noite, para quem gosta, tem cor e animação.

O golfe, o ténis, os passeios a pé, de bicicleta e a cavalo ou apenas horas de sol e praia. Facetas de uma ilha que é um centro de férias para os que gostam de cultura, de desportos… ou simplesmente contemplar a Natureza. As muitas lagoas cativam o coração e criam poemas no olhar.

O Vale das Furnas, viçoso jardim no fundo de vasta cratera, onde correm ribeiros de água quente. No seu interior, o idílico Parque Terra Nostra, onde se misturam exóticas espécies tropicais e de países frios. O vapor fervente das Caldeiras recorda a origem vulcânica da ilha.

A visita às únicas plantações de ananazes e de chá da Europa, todo o encanto de múltiplas paisagens feitas de pastagens e pachorrentas vacas malhadas, arvoredos espessos, flores, muitas flores e miradouros sobre a terra e o mar.

Ribeira Grande, Lagoa, Nordeste, Povoação, aglomerados de casario branco emoldurado pelo azul do mar, junta-se Vila Franca do Campo, primeira capital da ilha.

Todas são pontos de um roteiro de conhecimento da ilha, do seu património e da sua história. Férias activas para todos os gostos. Campos de golfe entre flores. Percursos de observação de aves, de plantas endémicas, de fenómenos vulcânicos. Mergulhar por entre peixes e paisagens submarinas feitas de lava. Marinas que acolhem iates vindos da Europa e das Américas.

O prazer de observar grandes cetáceos, rápidos golfinhos. Praias de areia morena convidam a horas de alegria num mar aquecido pelas correntes do Golfo ou ao desafio das ondas sobre pranchas de surf e windsurf.

Ténis, vela, pesca desportiva de alto mar são mais algumas das propostas de São Miguel para férias vividas intensamente. Prazeres das compras e da mesa. As cerâmicas decoradas a azul da Lagoa.

Os pitorescos barros dos oleiros de Vila Franca do Campo. Os delicados bordados, os decorativos trabalhos em vime. Valores de um artesanato que mantem tradições seculares e são as melhores recordações de São Miguel.

Quem esquece o singular sabor do delicioso cozido das Furnas, preparado em caldeiras vulcânicas? Ou os frescos peixes e mariscos, a tenra carne simplesmente grelhada ou preparada segundo velhas receitas tradicionais? Os prazeres da mesa continuam com o doce e perfumado ananás, os antigos doces conventuais, o licor de maracujá. Para que cada refeição fique na memória.

 

LOCAIS A VISITAR NA ILHA DE SÃO MIGUEL

 

Lagoa das Sete Cidades – Cratera revestida de criptomérias e hortênsias que alberga as duas lagoas: verde e azul. Paisagem que faz sonhar.

Lagoa do Fogo – Grandiosa e dramática. Lá no fundo desenham-se praias de areia branca e uma pequena península coberta de árvores.

Caldeira Velha – Nascente de água quente e férrea que cai em cascata numa pequena represa.

Ilhéu de Vila Franca – Cratera de antigo vulcão afundado, tem uma forma quase circular, albergando no seu interior uma piscina natural. É classificado como Reserva Natural.

Local das Furnas – Local bucólico. O colorido das flores contrasta com as fumarolas das caldeiras onde se confecciona o saboroso cozido.

 

ILHA TERCEIRA

 

Terceira fala de história em Angra do Heroísmo, primeira cidade europeia nascida no Atlântico classificada Património Mundial. O porto onde ancoraram galeões ajoujados com o peso das especiarias do Oriente, do ouro e da prata das Américas. As ruas rectilíneas de uma cidade que nos leva à atmosfera dos séculos XVI e XVII. As igrejas, palácios, museus.

As poderosas muralhas da fortaleza que defendeu a cidade e o porto do ataque dos corsários. O quadriculado de campos verdes planos pontilhados pela silhueta branca das vacas leiteiras. Por ente o casario branco, as pinceladas de colorido vivo gritante dos “impérios”, obras primas de arquitectura popular devotados ao culto do Espírito Santo.

Os risos, as piruetas dos rapazes que mostram as suas habilidades na tourada à corda. As horas tranquilas de uma partida de golfe por entre maciços de criptomérias vindas do Japão. Depois de apreciar o muito que há para ver em Angra do Heroísmo importa conhecer o centro histórico de Praia da Vitória. A igreja gótica de São Sebastião erguida pelos primeiros povoadores.

 

Locais a Visitar na ILHA TERCEIRA

Cidade de Angra do Heroísmo – Angra do Heroísmo é um conjunto urbano homogéneo e bem conservado, testemunha de séculos de história e enaltecido pela classificação de Património Mundial concedida pela Unesco.

Cidade da Praia da Vitória – O centro histórico apresenta casas antigas, com curiosos detalhes em pedra e interessantes varandas e janelas.

Algar do Carvão – Notável chaminé vulcânica com bonitos cenários naturais, apresentando no seu interior a formação de estalactites e estalagmites.

Miradouro da Serra do Cume – Situa-se a mais de 500 m de altitude de onde se vislumbra uma paisagem espectacular de manta de retalhos feita de verde dos pastos, salpicada pelo branco das casas.

Os Impérios – Os coloridos impérios ou “teatros” do Espírito Santo em cores garridas quebram o branco do casario. Espalhados por toda a ilha Terceira, onde existem cerca de 68, remontam a maior parte ao final do séc. XIX.

 

As casas solarengas, igrejas e capelas de São Carlos, Fontinha, São Brás e Lajes. Terceira não é só história e monumentos. Tem, também, paisagens verdejantes onde apetece passear. Serras que desvendam horizontes de campos floridos, de mar e céu. A curiosa Caldeira de Guilherme Moniz, cratera vulcânica de 15 km de perímetro. As grutas do Algar do Carvão com o espectáculo feérico das estalactites e estalagmites formadas pela lava.

Flores emolduram um campo que desafia a perícia dos golfistas. Duas marinas atraem à ilha a ambiência cosmopolita dos iatistas que atravessam o Atlântico. O mar, rico em peixe, é um paraíso para os pescadores. Mergulho, surfing, windsurfing, vela são desportos praticados na ilha.

E para os que gostam de nadar a Terceira propõe insólitas piscinas formadas pelo encontro da lava com o mar. Uma ilha sempre em festa. Terceira, nos meses de Maio a Outubro, é um permanente festival de cor e tradições seculares.São as Festas do Espírito Santo com a cerimónia, repetida em todas as povoações, da coroação do “imperador” seguidas por bodos onde se come e bebe fartamente.

As Festas Sanjoaninas com o seu interessante cortejo etnográfico. E, sempre, as multidões entusiastas que acompanham as peripécias, tantas vezes humorísticas, da tourada à corda. Festa significa boa comida. Por isso tem fama a cozinha tradicional com o aroma exótico da alcatra, rico em especiarias, a morcela, as receitas de polvo. Os doces são muitos e bons. E a refeição não fica completa sem o vinho de Biscoitos, de que um pitoresco museu recorda a longa crónica de agrado ao paladar.

 

ILHA DO FAIAL

 

Faial é o fresco azul das hortênsias, a marina colorida pelas pinturas dos iatistas vindos de todo o mundo. A adrenalina forte da luta com um combativo espadim. As horas alegres de convívio no bar onde se encontram iatistas de todo o mundo. Os mistérios de grutas vulcânicas onde se escondem cardumes de peixes coloridos. Facetas do Faial para férias activas que se harmonizam bem com o branco casario da Horta, cidade de romance e aventura. O verde envolvente das colinas.

O vermelho dos pitorescos moinhos. Para completar o quadro quase paradisíaco as pinceladas intensas das escuras cinzas vulcânicas dos Capelinhos e a subida da Caldeira onde se observa o magestoso perfil da montanha do Pico. O ritmo contagiante de uma vida em que a tranquilidade e a alegria têm o condimento de uma boa pitada de cosmopolitismo que tem o seu ponto culminante na Semana do Mar que, em Agosto, junta às regatas de iates e às corridas de canoas baleeiras a alegria de uma festa que anima toda a cidade.

 

LOCAIS A VISITAR ILHA DO FAIAL

Vulcão dos Capelinhos – Localizado no extremo ocidental da Ilha do Faial, constitui uma das principais atracções turísticas, podendo admirar-se a forma como as ilhas nasceram ao longo dos milénios.

Caldeira – Profunda cratera revestida pela vegetação endémica da Ilha, sendo um dos refúgios de floresta de laurissilva. Do local pode ainda observar-se a imponente Ilha do Pico.

Marina da Horta – O Porto da Horta, possui uma das Marinas oceânicas mais importantes do Mundo. Centenas de yatchs das mais diversas nacionalidades, fazem escala, anualmente nesta Marina durante as suas viagens pelo Atlântico Norte numa tradição que remonta ao século XIX.

Cidade da Horta – Cenicamente construída entre duas baías, as suas ruas contam a história de uma cidade fundada há cinco séculos.

Jardim Botânico do Faial – Este jardim está vocacionado para a conservação da diversidade biológica e para a educação e sensibilização ambientais. Tem uma área de 5 600m2.

 

ILHA DE Sta MARIA

Santa Maria, com as escarpas cobertas de vinhedos da Baía de São Lourenço. As esguias e brancas chaminés, evocadoras dos primeiros povoadores vindos do sul do Continente. As páginas de história de Vila do Porto e dos Anjos, onde na capela rezou Colombo no regresso da sua viagem de descoberta da América. Encantos da simpática ilha de Santa Maria, aquecida pelo sol.

Recortada por baías profundas, Santa Maria tem as mais belas praias dos Açores… e mais horas de sol. As suas ondas desafiam os surfistas. E a pesca desportiva, a vela, o windsurfing, o mergulho, o parapente atraem os que gostam de férias com adrenalina.

Os apreciadores de férias tranquilas e revigorantes entusiasmam-se com a paisagem bucólica, o contraste entre montes verdejantes e as planuras despidas de vegetação, o ritmo plácido da vida campestre, os agradáveis passeios para identificar as sempre verdes faias da vegetação primitiva, admirar a grande concha em degraus da Baía de São Lourenço. Vila do Porto, Santo Espírito, Anjos e São Pedro são pontos de um roteiro que leva a conhecer igrejas, conventos e fortalezas que recordam tempos passados.Durante os dias vividos em Santa Maria há tempo para deliciar-se com o peixe fresco, apreciar os pratos e os doces de receita tradicional. À partida, leva-se sempre uma peça do artesanato local e muitas saudades.

LOCAIS A VISITAR ILHA DE Sta MARIA

Lugar dos Anjos – Local onde desembarcaram os homens de Colombo, para cumprir uma promessa. Uma estátua de Colombo e uma porta ogival lateral, recordam essa passagem.

Praia Formosa – Praia de areia clara que convida aos prazeres do sol e do mar numa praia extensa envolta pelo verde da paisagem.

Baía de São Lourenço – Fiada de casas brancas que acompanha o extenso areal recortado por rochedos baixos que avançam para o mar.

Forte São Brás – Debruçado sobre o porto, mantém os seus velhos canhões apontados ao mar. Junto ao portal do forte a capela da Nossa Senhora da Conceição.

 

ILHA DO PICO 

Visitar o Pico é penetrar num pequeno mundo construído durante séculos por baleeiros, agricultores, pescadores e um paraíso para todos os que gostam da Natureza. Na montanha que nasce do mar e toca as nuvens. Nas lutas épicas entre frágeis baleeiras e poderosos cachalotes para obter o precioso oleo, hoje o Pico recuperou de forma pacífica a tradição baleeira, em dois museus que dão a conhecer a sua história e mostram a arte delicada das peças feitas por marinheiros com os dentes e ossos dos cachalotes.

Espalhadas ao longo da costa, aninhadas entre o verde fresco da vegetação o do labirínticos vinhedos, hoje classificados pela Unesco de Património Mundial, as povoações do Pico têm um carácter muito próprio.

Marcado pelas casas construídas com blocos de escura lava. O vinho verdelho do Pico, que chegou às mesas de reis e czares, continua a ser produzido para delícia do paladar. Uma ou mais garrafas desse vinho nascido da lava é a melhor maneira de recordar as férias de sonho vividas no Pico. A que vale a pena acrescentar miniaturas de canoas e alfaias agrícolas, trabalhos em osso de baleia, finas rendas feitas por mãos hábeis de mulher.

 

LOCAIS A VISITAR ILHA DO PICO

Montanha do Pico – Considerado um dos vulcões mais belos do Mundo. Ponto mais alto de Portugal com 1351 m de altitude, de onde se pode avistar todas as ilhas do Grupo Central.

Gruta das Torres – É o maior tubo lávico conhecido nos Açores. Classificada de Património da Humanidade pela sua importância como património natural. Museus da Baleação –

O Museu dos Baleeiros nas Lajes do Pico, conta a história da baleação na Ilha, através de uma variada colecção de peças de artesanato e outros artefactos ligados à actividade. O Museu da Indústria Baleeira em São Roque, expõe equipamentos utilizados na transformação dos cachalotes.

Paisagem da Cultura da Vinha – O reticulado dos muros levantados a partir das rochas expelidas pelo vulcão, associado à excelência dos campos de lava e à vegetação natural, formam uma ambiência sui generis que impressiona pela sua perfeição e grandiosidade.

Lugar do Cachorro – A lava e o mar construíram figuras, que com um pouco de imaginação se associam a animais (cachorro, baleia). Neste lugar pode também provar e comprar alguns licores típicos da Ilha.

 

ILHA DE SÃO JORGE

 

O verde, o imenso verde das pastagens que cobre vales e montes numa profusão infinita de tonalidades, as nesgas de terra junto ao mar – as fajãs – na base de altas arribas que mergulham no mar, as perspectivas da ilha do Pico e da sua alta montanha, são o quadro natural de São Jorge. Aqui e ali, as pequenas fábricas onde se pode ver como o espesso e rico leite das vacas se transforma nos grandes queijos que dão fama à ilha e são um bom princípio de refeição.

Percorrer São Jorge é um itinerário de descoberta. De paisagens que encantam e nos transportam ao mundo primitivo. De colchas de lã tecidas em velhos teares de madeira, repetindo padrões ancestrais. No final fica o desejo de voltar e reencontrar a tranquilidade, neste gigantesco navio de pedra eternamente ancorado no mar azul

LOCAIS A VISITAR ILHA DE SÃO JORGE

Fajãs – - Superfícies planas que se estendem pelo mar, que devido ao seu micro clima são terras férteis de pomares, cultivo de inhame, milho e legumes, permitindo algumas delas o cultivo da banana e do café.

Parque Florestal das Sete Fontes – Localizado da Freguesia dos Rosais, oferece aos visitantes uma variedade de plantas e vegetação endémica, para além de um espaço de lazer reconfortante.

Fajã da Caldeira de Santo Cristo – Com uma gruta submarina e uma lagoa de onde se extraem as deliciosas amêijoas, únicas nos Açores. Faz parte das Áreas Protegidas.

Vila das Velas – A Vila das Velas localiza-se à beira-mar. Importa descobrir o seu núcleo histórico com edifícios representativos das várias influências arquitectónicas.

Pico da Esperança – Ponto mais alto da cordilheira que atravessa a ilha com 1053 m, de onde se pode avistar as restantes quatro ilhas do Grupo Central. Oferece vistas panorâmicas de invulgar beleza, sobre as estradas “decoradas” por maciços de hortênsias e urzes arbóreas.

 

ILHA GRACIOSA


Graciosa, ilha pequena, tem uma misteriosa lagoa no fundo de uma furna vulcânica, campos cobertos de vinhas onde esbracejam moinhos.

Percorrer a Graciosa é passear por entre o xadrez verde das videiras debruadas pelas paredes de lava dos “currais”. Subir a montes arredondados que são miradouros extasiantes.

Admirar a vegetação frondosa da Caldeira, onde a Furna do Enxofre permite penetrar no interior de um extinto vulcão, com uma misteriosa lagoa subterrânea. Descobrir, ao longo da costa, profundas baías, pequenos ilhéus que fazem sonhar.

As ruas de casas brancas da vila de Santa Cruz recuam no tempo cem ou duzentos anos. E na sua igreja matriz guardam-se painéis quinhentistas, valiosas obras da pintura portuguesa. Onde há vinhas há vinho… e os brancos e tintos da Graciosa acompanham bem os pratos de fresco peixe, marisco e carne da culinária local. Para completar a refeição nada melhor do que a doçaria tradicional e um copo de aguardente destilada em velhos alambiques de cobre. As férias na Graciosa são simples, saudáveis, tranquilas. Ao partir fica-se com a sensação de deixar um mundo onde se pode esquecer o tempo.

LOCAIS A VISITAR ILHA GRACIOSA

Vila Nova do Corvo – Vila pitoresca e invulgar, não só pelas suas construções típicas, todas com o mesmo traçado dispostas nas pequenas ruelas, localmente designadas por canadas.

Caldeirão – Antiga cratera que deu origem à ilha. No fundo pode encontrar duas lagoas de forma irregular, onde a imaginação pode ver sete das nove ilhas dos Açores nas formas dos pequenos cones de cinzas vulcânicas.

Miradouro do Pão de Açúcar – Miradouro natural de onde se desfruta um vasto e belo panorama sobre a ilha e o mar, cuja visita não deve perder.

Moinhos – Atarracadas construções de pedra negra, em cujo interior um engenhoso mecanismo faz rodar a cúpula, de maneira a que a vela triangular acompanhe os ventos.

 

ILHA DAS FLORES

Flores é a Natureza na sua exuberância primitiva, um arco-íris das muitas flores que polvilham de cor toda a ilha, um jardim rodeado de mar. No espelho azul de sete lagoas que brilham como jóias engastadas no verde envolvente. No murmúrio constante de cascatas que saltam do alto de encostas em direcção ao mar.

A beleza da paisagem das Flores convida a agradáveis passeios. E, também, os horizontes de terra e mar, o canto das aves, a flora variada. Mergulhar num mar rico em peixe por entre rochedos multicores, nadar em piscinas escavadas na lava pelo mar e passear nas vilas de Santa Cruz e Lajes com origem no povoamento do século XV, as aldeias pitorescas no fundo de vales ou no alto de falésias como Fajãzinha, Fazenda das Lajes e outras. Activas ou tranquilas, as férias nas Flores são, de certeza, revigorantes. Porque toda a ilha convida ao reencontro de nós próprios com a Natureza.

 

LOCAIS A VISITAR ILHA DAS FLORES

Rocha dos Bordões – É um espectacular fenómeno geológico que tem a sua origem na solidificação do basalto em estrias verticais.

Lagoas – As sete lagoas existentes na zona central da Ilha, são um dos espectáculos de rara beleza que não pode perder.

Poço do Bacalhau – Cascata e pequena lagoa de águas transparentes que convidam, a um banho refrescante.

Cascatas – Atarracadas construções de pedra negra, em cujo interior um engenhoso mecanismo faz rodar a cúpula, de maneira a que a vela triangular acompanhe os ventos.

 

ILHA DO CORVO

Corvo, curiosa ilha miniatura, tem no seu centro uma ampla e bela caldeira. O branco do casario sobre uma ravina junto ao mar. As lagoas de águas azuis no fundo de uma ampla cratera. O verde da paisagem. Uma população que mantem tradições velhas de séculos, que nos transporta a um mundo quase esquecido que o isolamento preservou.

Quem dispõe de apenas algumas horas fica a conhecer o Corvo depois de percorrer as poucas ruas da vila com casas de janelas debruadas a cor. Visitar a singela igreja que guarda uma preciosa imagem flamenga do séc. XVI. Subir ao Monte Gordo para a admirar as lagoas recortadas por ilhotas no fundo do Caldeirão.

Extasiar-se com os horizontes de mar, o vulto próximo da ilha das Flores. Quem gosta de participar no íntimo da existência das suas gentes deve ficar dois, três dias ou mesmo uma semana mais. E, no final, regressar com a serenidade de ter partilhado a vida simples de uma pequena

 

LOCAIS A VISITAR ILHA DO CORVO

Vila Nova do Corvo – Vila pitoresca e invulgar, não só pelas suas construções típicas, todas com o mesmo traçado dispostas nas pequenas ruelas, localmente designadas por canadas.

Caldeirão – Antiga cratera que deu origem à ilha. No fundo pode encontrar duas lagoas de forma irregular, onde a imaginação pode ver sete das nove ilhas dos Açores nas formas dos pequenos cones de cinzas vulcânicas.

Miradouro do Pão de Açúcar – Miradouro natural de onde se desfruta um vasto e belo panorama sobre a ilha e o mar, cuja visita não deve perder.

Moinhos – Atarracadas construções de pedra negra, em cujo interior um engenhoso mecanismo faz rodar a cúpula, de maneira a que a vela triangular acompanhe os ventos.

 

  • Roteiro pelas ilhas dos Açores e locais a visitar

Restaurantes em - Ilha de São Miguel

O que fazer em - Ilha de São Miguel