Castelo de Castro Laboreiro em Castro Laboreiro Melgao





O Castelo de Castro Laboreiro, também referido como Castelo de Castro Laboredo, localiza-se na vila e freguesia de Castro Laboreiro, concelho de Melgaço, distrito de Viana do Castelo, em Portugal.

Para aqui chegar, o caminho não é fácil, tendo que se subir uma boa parte a pé, até alcançar cerca de 1033 metros de altitude. Quando aqui chegamos, porém, esquecemos todo o caminho que ficou para trás, tal a beleza e imponência do que nos rodeia.

Em posição dominante no alto de um monte, em terreno de difí­cil acesso entre as bacias do rio Minho e do rio Lima, está integrado no Parque Nacional da Peneda-Gerês.

A praticamente 1000 metros de altitude, e localizado em pleno sistema montanhoso da Peneda-Gerês, numa linha interior da fronteira entre o Alto Minho e a zona de influência de Ourense, o castelo de Castro Laboreiro é um dos mais emblemáticos monumentos militares nacionais, mais pela localização geográfica aberta aos planaltos galegos, que pela sua pretensa importância no quadro da história militar portuguesa.



Torre de Lapela Mono





A Torre de Lapela  localiza-se junto ao rio Minho, na freguesia de Lapela, concelho de Monção, distrito de Viana do Castelo, em Portugal.

A Torre de Menagem de Lapela, conhecida como a melhor varanda sobre o rio Minho agora batizada como Núcleo Museológico Torre de Lapela, mantem a sua postura imponente e mostra uma silhueta mais atraente para receber munícipes e visitantes, garantindo um maior contacto com a história do nosso concelho.  Inaugurada no dia 27 de maio de 2016, esta valência turística do concelho de Monção englobou a restauração da torre de menagem, a beneficiação do pavimento envolvente e a valorização dos canastros existentes, proporcionando uma paisagem deslumbrante sobre o rio Minho, casario tradicional de Lapela e margem galega. 



Capela do Anjo da Guarda (Ponte de Lima)





A Capela do Anjo da Guarda, também referida como Padrão de São Miguel, localiza-se à margem direita do rio Lima, junto à ponte romana sobre o mesmo, na freguesia de Ponte de Lima, na vila de mesmo nome, distrito de Viana do Castelo, em Portugal.

Como foi comum na Baixa Idade Média, a mobilidade dos homens e a consequente travessia de pontes impôs devoções populares de grande impacto junto a essas estruturas. Rezava-se à partida, na perspectiva de um boa viagem, e em agradecimento pela chegada sã e salva. Não espanta, por isso, que numerosas capelas e ermidas devocionais tenham pontuado a paisagem ribeirinha da nossa Idade Média, junto dos principais pontos de travessia dos rios.

A pequena capela do Anjo da Guarda não escapa a estas condicionantes e, apesar de não se conhecer exactamente a sua origem (nem a época específica em que foi levantada), não restam dúvidas sobre a relação com a antiga ponte romana, e depois medieval, de Ponte de Lima.



Igreja Matriz de Caminha





A Igreja Matriz de Caminha também referida como Igreja de Nossa Senhora da Assunção, localiza-se na vila e concelho de Caminha, distrito de Viana do Castelo, em Portugal.

Igreja paroquial sob a invocação de Nossa Senhora da Assunção, é um dos edifí­cios religiosos mais vastos e importantes do norte do paí­s.

 

Seguindo estruturalmente o modelo gótico de igreja-fortaleza de três naves escalonadas e torre ameada, este templo, iniciado por volta de 1488, parece passar ao lado do chamado "manuelino”, apenas patente na guirlanda da cabeceira e tecto mudéjar.Em contrapartida apresenta inovadora linguagem renascentista nos portais axial, lateral sul e arco triunfal da capela do Senhor dos Navegantes, com influências do plateresco espanhol. - See more at: https://www.culturanorte.pt/pt/patrimonio/igreja-matriz-de-caminha/#sthash.LxKPR8r7.dpuf



Igreja de So Pedro de Rubies em Paredes de Coura paragem obrigatrio para quem faz o Caminho de Santiago





A Igreja de São Pedro de Rubiães localiza-se na freguesia de Rubiães, vila e concelho de Paredes de Coura, distrito de Viana do Castelo, em Portugal.

Está classificada como monumento nacional desde 1913, é um dos pontos de paragem obrigatório para quem faz o Caminho de Santiago e vai acolher o próximo concerto da iniciativa Sente a História.

Em causa está a Igreja Românica de S. Pedro de Rubiães, em Paredes de Coura, que vai ser o palco já este sábado, dia 15 de setembro, às 22h, de um espetáculo protagonizado por um dos mais prestigiados grupos de música de câmara portugueses:



Palcio da Brejoeira Ex-libris da regio de Mono





O Palácio da Brejoeira localiza-se na freguesia de Pinheiros, na vila e concelho de Monção, distrito de Viana do Castelo, em Portugal.

A seis quilómetros a sul de Monção, inscreve-se em uma vasta propriedade rural, dividida entre 18 hectares de vinha, oito de bosque e três de jardim. Este sumptuoso palácio constitui-se num expoente das moradias fidalgas no paí­s.

Ex-libris da região de Monção, é uma grandiosa construção em estilo neoclássico, do início do séc. XIX

Casa senhorial, circundada de altos muros, ao gosto da época, com um frondoso parque de essências arbóreas pouco vulgares.É um conjunto notável - palácio, bosque, jardins e vinhas - que seduz e encanta pela harmonia que dele emana.

Para lá dos seus jardins de estilo inglês, cultivam-se com esmero 18 hectares de vinha de casta Alvarinho que D. HERMÍNIA PAES transforma num dos seus emblemáticos vinhos da Sub-Região de Monção. A moderna adega permite produzir vinhos de qualidade, sem abdicar da tipicidade única do vinho PALÁCIO DA BREJOEIRA.



Castelo de Mono Castelo medieval dos alvores





O Castelo de Monção, no Minho, localiza-se na freguesia, vila e concelho de Monção, distrito de Viana do Castelo, em Portugal. Descrição sumária: Castelo medieval dos alvores da nacionalidade cuja fundação se desconhece mas que terá sido acrescentada uma barbacã no reinado de D. Dinis. Fortaleza abaluartada e mandada edificar após a Declaração da Independência em 1640, tendo sido terminada nos inícios do século XIX, nunca sendo concluídos os trabalhos de obras exteriores.

Erguido na margem esquerda, a jusante de Melgaço, tinha como função primitiva defender neste trecho a passagem do rio Minho.



Chafariz do Terreiro Caminha





O Chafariz do Terreiro situa-se em Caminha, Portugal.

Obra renascentista do canteiro portuense João Lopes, o Velho. Situa-se na Praça do Conselheiro Silva Torres, popularmente conhecida por Terreiro, em frente à Torre do Relógio que era a porta principal da antiga cerca medieval de Caminha.

Foi iniciado em 1551, e concluido em 1553; a sua água foi encanada subterraneamente desde uma nascente em Moledo, a cerca de 4km de distância. Está composto de três taças sobrepostas, de tamanhos crescentes, dispostas sobre um eixo vertical. A decoração é uma combinação de elementos geométricos e figuras mitológicas.

Em 1835, depois da Câmara determinar a demolição do pelourinho que existia no largo, o chafariz foi deslocado para permitir o alinhamento das ruas de São João e das Flores, tomando então o nome de chafariz de D. Pedro.

Em 1865, segundo J. Correia, foi aumentado com um gradeamento de protecção. Recentemente sofreu um processo de limpeza, que lhe removeu a patina secular.



Capela de Nossa Senhora da Orada Melgao





A Capela de Nossa Senhora da Orada localiza-se na freguesia de Vila, na vila e concelho de Melgaço, distrito de Viana do Castelo, em Portugal.

É no lugar da Orada, mesmo à saída da Vila de Melgaço em direção a São Gregório pela antiga estrada nacional, que se encontra um dos templos de maior devoção do concelho – a Igreja de Nossa Senhora da Orada.

Localizada nos arredores da vila, esta igreja é, desde a sua construção, no século XIII, um pólo de grande devoção. O seu topónimo “Orada”, aliás, significa local de oração e romaria. O contraste entre a riqueza arquitetónica do templo e a paz do local, conferem-lhe um misticismo que torna este lugar verdadeiramente encantador.



Igreja de So Fins de Friestas





A Igreja de São Fins de Friestas localiza-se na freguesia de Friestas, concelho de Valença, Portugal. Apesar de bastante alterada pelos restauros da primeira metade do século XX, a igreja de São Fins de Friestas é um dos nossos monumentos românicos mais importantes e um daqueles em que se evidencia, de forma mais clara, a longa duração da influência galega (em particular do estaleiro da Sé de Tui), que, na vertente esquerda do rio Minho, se prolongou mesmo para cá da viragem para o século XIII.

A igreja românica, de uma só nave, data do século XII e fazia parte um mosteiro da Ordem Beneditina (ou segundo o investigador Manuel Luí­s Real dos Cónegos Regrantes de Santo Agostinho).

Apresenta uma cabeceira redonda com os cachorros esculpidos com motivos fitomórficos e zoomórficos em gárgulas.

Está classificada como monumento nacional desde 1910.



Mosteiro de Ermelo Arcos de Valdevez





O Mosteiro de Ermelo localiza-se na freguesia de Ermelo, na vila e concelho de Arcos de Valdevez, distrito de Viana do Castelo, em Portugal. O antigo mosteiro, provavelmente edificado por D. Teresa, adoptou a ordem cisterciense no final do século XIII, integrando deste modo a área sob influência de Santa Maria de Fiães.

Evoluindo com imensas dificuldades, é transformado em 1441 em igreja paroquial, regressando à ordem 1497. Em 1560 apresentava já um avançado estado de abandono, pelo que é secularizado, sendo os seus rendimentos integrados no colégio de S. Bernardo de Coimbra



Chafariz da Praa da Rainha Praa da Repblica centro histrico de Viana





O Chafariz da Praça da República está localizado na parte oriental da Praça da República (antiga Praça da Rainha), Situado no centro histórico de Viana, no centro da Praça da Rainha, o exemplar semelhante ao de Caminha ergue-se sobre uma escadaria de quatro degraus, com um tanque circular. No centro deste, imerso na água, assenta o pilar que suporta todo o resto da estrutura. Sobre este pilar está a bojuda coluna estriada e decorada com folhagens.

Surge um conjunto de três taças, que vão diminuindo de diâmetro à medida que são colocadas mais acima. A primeira taça é rematada por dois frisos a toda a sua volta, sendo o superior decorado com motivos denteados semelhantes aos do tanque. À volta desta existem seis carrancas que servem para escoar a água. A taça seguinte é semelhante à anterior, diferenciando pelas quatro cabeças aladas que também jorram água.

Este é um chafariz renascentista, o último de um conjunto de três projetos monumentais realizados pelo canteiro portuense João Lopes, o Velho no Minho e na Galiza. Terá substituí­do uma fonte mais antiga em que teriam trabalhado os canteiros Fernão Anes (1512) e João Gonçalves (1523).



Turismo em Portugal

Explora restaurantes museus hoteis e muito mais em Portugal