Praia da Culatra Parque Natural da Ria Formosa Faro Algarve





ntegrada no Parque Natural da Ria Formosa, a Ilha da Culatra é uma das ilhas-barreira que separam o mar da Ria. Sendo apenas acessível por barco a partir de Olhão, não se encontram aqui veículos motorizados, reinando a paz e tranquilidade num ambiente propício a quem pretende descansar num areal espaçoso, banhado por um mar calmo. As suas águas transparentes proporcionam uma visibilidade de cerca de 15 metros, ideal para os praticantes de mergulho. Na Culatra, antiga povoação piscatória, encontram-se alguns restaurantes especializados no famoso arroz de lingueirão ou na caldeirada, que mistura as muitas variedades de peixe que aqui abundam

A praia situa-se na extrema nascente da ilha da Culatra, associada a um antigo povoado de pescadores que, até há algumas dezenas de anos, era constituído por casas de madeira.

A povoação, ainda constituída por população piscatória, encontra-se agora dotada de várias infraestruturas e serviços. Na área envolvente observam-se embarcações de pesca e mariscadores distribuídos pelos bancos de vasa a descoberto na baixa-mar.

Para chegar à praia atravessa-se a povoação e depois o largo sistema dunar, percorrendo-se um passadiço sobrelevado ao longo de 500 m.Também aqui é possível observar a rica flora dos campos dunares, bem como gozar as águas cálidas e tranquilas e os ventos quentes de leste. Após uma hora de caminhada para nascente chega-se à Barra do Lavajo, onde se podem apreciar as convidativas piscinas naturais arenosas e uma paisagem sempre em mutação.



Praia de Quarteira





A praia de Quarteira é uma longa praia situada em Quarteira, Algarve, Portugal.

Quarteira é uma antiga aldeia de pescadores, hoje um centro turí­stico cosmopolita mas de nulo interesse urbaní­stico. Tornou-se destino de férias populares para os portugueses a partir da década de 1960, principalmente devido ao seu extenso areal e clima único. A praia é extensa, com mais de 2 km de comprimento, e cortada por vários molhes separados cerca de 300 metros entre si.

Tem uma frequência sempre muito grande, especialmente de turistas portugueses. Na época balnear dispõe de um Centro Azul que dinamiza atividades na praia e presta apoio aos banhistas.

Sendo uma praia situada em plena zona urbana, dispõe de todos os equipamentos e serviços de apoio.

 

Junto à Quarteira, uma das localidades mais concorridas do Algarve durante o verão, a Praia do mesmo nome possui um areal muito extenso dividido por pontões de cimento. Separada da localidade pela Avenida Marginal, um passeio marítimo muito agradável, a Praia da Quarteira é banhada por um mar tranquilo e possui excelentes infraestruturas de apoio que proporcionam agradáveis momentos de lazer aos veraneantes.

 

Antiga povoação de homens do mar, desenvolveu-se de modo a dar apoio à crescente procura das suas praias, constituindo atualmente um importante centro turístico.

O núcleo piscatório, com as suas embarcações e casas de aprestos, subsiste, limitado porém ao extremo poente da praia. O peixe fresco grelhado é uma presença incontornável à mesa em Quarteira e o mar recheia receitas tradicionais como a sopa de pão com conquilhas ou as lulas com ferrado. O areal com quase 2 km de extensão encontra-se compartimentado por vários molhes, junto dos quais se vai acumulando areia, e que proporcionam banhos tranquilos aos veraneantes.



Castelo de Castro Marim





As populações que habitavam o espaço português conheceram, desde tempos muito remotos, a necessidade de se munirem de estruturas defensivas.

Está a vila de Castro Marim edificada sobre um monte do Castelo, umas das mais significativas invocações que a Idade Média introduziu na paisagem portuguesa, na margem direita do rio Guadiana.A primeira fortaleza de Castro Marim deveria ter consistido num castro familiar ou de povoamento do período neolítico, levantado na coroa desse monte.

Devido à configuração topográfica e localização estratégica de Castro Marim, foi esta vila povoada por vários povos, entre eles, Fenícios, Cartagineses, Vândalos e Mouros, estes derrotados, aquando da conquista da vila por D. Paio Peres Correia em 1242.

O Castelo de Castro Marim localiza-se na vila e Freguesia e Concelho de mesmo nome, no Distrito de Faro, em Portugal.

Fortificação raiana, em posição dominante sobre o chamado monte do Castelo, defendia aquele ponto de travessia sobre a margem direita da foz do rio Guadiana, fronteiro ao Castelo de Ayamonte na margem oposta, hoje na Espanha. Ex-libris da vila, é considerado pelos estudiosos como um dos mais significativos monumentos da Idade Média portuguesa na paisagem da região. Encontra-se integrado na Reserva Natural do Sapal de Castro Marim e Vila Real de Santo António, sendo bastante apreciada a vista panorâmica sobre o rio, a zona do Sapal, a serra algarvia, a Espanha, as salinas e as praias daquele litoral.



Museu Antonino de Faro





No contexto museológico da cidade de Faro assume particular interesse o Museu Antonino, que, reunindo características populares, perpectualiza justamente a memória de um dos mais antigos padroeiros desta cidade:

Santo António. A ermida de Stº António do Alto, onde se acha inserido o Museu, situa-se na mais alta colina da cidade, que em tempos idos foi uma primitiva torre de vigia da costa (as conhecidas atalaias), que para contrariarem as constantes investidas dos corsários árabes davam o sinal de rebate chamando as populações a defenderem os seus haveres. Igualmente ali se verificaram sangrentas lutas, durante a guerra civil de 1832-1834, pela posse do mais estratégico ponto militar da cidade, facto esse que era há anos facilmente constatável pelos buracos das balas incrustadas nas paredes do edifício, mas que, infelizmente, são hoje irreconhecíveis devido aos trabalhos de reboco e restauro mandados executar pela edilidade.



Museu Etnogrfico e Regional do Algarve





O Museu Regional do Algarve foi criado em 1962, sob o nome de Museu Etnográfico Regional de Faro, tendo como primeiro diretor o artista farense Carlos Porfírio, que foi também o seu promotor inicial

 

O Museu Etnográfico Regional  foi inaugurado no dia 15 de dezembro de 1962 na sede da Junta de Província do Algarve (atual Assembleia Distrital de Faro), tendo tido como fundador e responsável pela sua organização o pintor Carlos Porfírio (1895 -1970). Como afirma Glória Marreiros, na sua obra Quem foi Quem? 200 Algarvios do século XX, “É com o labor de anos e anos que cria o Museu Etnográfico de Faro, para o qual expressamente concebeu os mais belos quadros descritivos dos costumes, dos saberes e das crenças do povo algarvio [...] Foi diretor do Museu que criou e ao qual deu alma através da sua arte de pintor, da sua fina perspicácia de etnólogo e de um sentido profundo de estética, que muito contribuíram para o excecional resultado museográfico”.

A maior parte do espólio do museu provém de recolha efetuada por Carlos Porfírio e é composta por utensílios de trabalho (pesca, trabalho agrícola e artesanal, industrias domésticas), por mobiliário e utensilagem doméstica, por algum traje, por numerosos exemplos da chamada “arte popular” (com especial destaque para a cestaria), para além de várias representações (pinturas e fotografias) de aspetos da vida dos algarvios na primeira metade do século XX.

Depois da morte de Carlos Porfírio (1970) o museu só volta a ter diretor, em 1983, a museóloga Luísa Rogado. Em 1992 foi aprovado um projeto de reestruturação profunda do museu, mas atingiu apenas a ala direita do museu e não a ala esquerda onde estava (e continua a estar) o núcleo etnográfico. O projeto de reestruturação do museu foi apresentado à Assembleia Distrital no dia 27 de janeiro de 1992; nesta altura o Museu Etnográfico Regional passou a designar -se por Museu Regional do Algarve.



Praia da Barreta na Ilha Deserta Faro Algarve





A Praia da Barreta situa-se na Ilha Deserta, à entrada da Barra Nova (Barra Faro-Olhão) e faz jus ao nome pelo facto de não ter construções e de ser pouco frequentada.O acesso faz-se por mar, a partir do Cais da Porta Nova (Portas do Mar), sendo que na travessia pode observar na maré vasa pequenos labirintos de areia, canais e bancos de sapal. Pelo caminho há que prestar também atenção às diversas aves que por aqui se alimentam.

A Praia da Barreta é uma das mais bem conservadas e menos frequentadas praias do Algarve. Cerca de 11 km de silêncio e sossego caracterizam a Ilha Deserta, onde tudo parece encaixar-se perfeitamente entre mundos tão distintos como a terra, o mar e o ar. A areia respira de vida, alimentando várias espécies de moluscos: amêijoas, búzios e muitas outras conchas. O cordão dunar mantém preservada a sua vegetação original e a flora encontra o seu máximo esplendor escondendo, na encosta interior as espécies mais frágeis. Aqui a fauna também se encontra protegida, podendo-se observar Borrelhos, Garajaus, Andorinhas do Mar, Gaivinas ou Chiretas.

A partir do pontão de embarque pode optar por realizar um interessante percurso ambiental. Este percurso é circular, inicia-se num passadiço de madeira (no lado da Ria) e termina no areal da praia (do lado da Costa). Aqui pode contemplar a flora e a fauna existentes.No areal, a poente do local onde desemboca este passadiço, foi aprovado pela Assembleia Municipal de Faro a criação de uma zona destinada à prática do Naturismo.

O ponto mais a sul de Portugal, a Ilha da Barreta ou Deserta é uma das ilhas-barreira do Parque Natural da Ria Formosa que fazem a separação entre a zona de sapal e o mar. Sendo só acessível por barco a partir de Faro (durante os meses de junho a setembro), a viagem demora cerca de 20 minutos que poderá aproveitar para admirar algumas espécies de aves protegidas.Com um vasto areal e um mar de águas límpidas, a Ilha da Barreta é um verdadeiro paraíso onde não existem outras construções além das que servem de apoio à praia e que oferecem a possibilidade de praticar atividades como a vela, windsurf  e passeios de barco.



Runas romanas de Milreu





As Ruí­nas romanas de Milreu ou Ruí­nas de Estói, são um importante vestí­gio da época romana situados em Estói, no concelho de Faro, perto da estrada que segue para S. Brás de Alportel. Localizada a poente da aldeia histórica de Estoi, a 8km de Faro, a Villa Romana de Milreurevela uma ocupação continuada desde o século I e até ao século XI. O conhecimento da sua história revela-nos que terá sido habitada por famílias de elevado estatuto social e político, às quais eram proporcionadas as necessidades não só de um quotidiano rural, como também de grande vivência lúdica.

Foram postos a descoberto em 1877 pelo arqueólogo Estácio da Veiga.

Milreu é o testemunho de uma importante villa áulica romana, habitada desde o século I da Era Cristã, com vestí­gios de ocupação contí­nua até ao século X.

Em finais do século III, a casa foi reorganizada em torno de um grande peristilo central com colunas, rodeando um pátio aberto com jardim e tanque de água.

No século IV, a entrada da villa foi monumentalizada e o peristilo e as termas foram embelezadas com mosaicos representando fauna marinha, enquanto a sul da via se ergueu um imponente edifí­cio de culto a uma divindade aquática, que no século seguinte viria a ser transformado num templo paleocristão.

Sobre parte das ruí­nas merece ainda destaque uma singular habitação quinhentista com contrafortes cilí­ndricos nos cantos exteriores.

Foram classificadas como Monumento Nacional em 1910.



Casa rural de Milreu poente da aldeia histrica de Estoi, a 8km de Faro





Edifí­cio de planta retangular e técnica construtiva mista de alvenaria de pedra e taipa, resultante de um lento processo evolutivo e de alterações efetuadas em diferentes épocas. A possibilidade da observação da sobreposição de estruturas construtivas torna especialmente compreensí­vel o lento processo de transformação dos edifí­cios.

Localizada a poente da aldeia histórica de Estoi, a 8km de Faro, a Villa Romana de Milreu revela uma ocupação continuada desde o século I e até ao século XI. O conhecimento da sua história revela-nos que terá sido habitada por famílias de elevado estatuto social e político, às quais eram proporcionadas as necessidades não só de um quotidiano rural, como também de grande vivência lúdica.

No século IV, foi erguido um edifício religioso ricamente decorado e ainda hoje conservado até ao arranque das abóbadas, destinado ao culto privado da família. Cristianizado no século VI, o templo serviria também o culto no período islâmico e até ao século XI. Entre os séculos XVI e XIX, e sobre as divisões privadas da antiga casa romana, foi erguida uma casa rural com contrafortes cilíndricos.

Site oficial para a visita 



Praia da Ilha Deserta





Tal como o nome sugere (Ilha Deserta), apenas se pode visitar por barco. Um servio providenciado para os turistas e alguns hotis da rea tal como o hotel Faro.

Turismo em Portugal

Explora restaurantes museus hoteis e muito mais em Portugal