Baslica da Estrela em Lisboa





A Basí­lica da Estrela é um templo católico e antigo convento de freiras carmelitas localizado na cidade de Lisboa, em Portugal. Esta vasta igreja, encimada por uma cúpula, ergue-se no alto de uma colina na zona oeste da cidade, sendo um dos marcos da zona da Lapa (Paróquia de Nossa Senhora da Lapa à Estrela, ou simplesmente Paróquia da Lapa), e dá nome à freguesia homónima.

Classificada como Monumento Nacional é, também conhecida por Basílica do Sagrado Coração de Jesus. Mandada erguer por D. Maria I, como cumprimento de um voto que fizera pelo nascimento de D. José, a obra foi iniciada em 1779 e concluída em 1789. Com projecto da autoria dos arq. Mateus Vicente e Reinaldo dos Santos foi concebida numa linguagem tardo-barroca, numa época em que vigorava o estilo neoclássico, sendo a estatuária atribuída à oficina de Machado de Castro. 



Torre de Belm Patrimnio da Humanidade pela UNESCO





Virada para o Rio Tejo, esta fortaleza classificada como Património da Humanidade pela UNESCO é o epítome da Era dos Descobrimentos. Você precisará respirar para subir a estreita escada em espiral até a torre, que oferece vistas sublimes sobre Belém e o rio.



Museu da Farmcia (Lisboa)





O Museu da Farmácia localizado no edifí­cio da Associação Nacional das Farmácias, em Santa Catarina (Lisboa), foi inaugurado em Junho de 1996.

As primeiras peças que deram origem a este museu foram as doadas à Associação Nacional de Farmácias, pelo Dr. Salgueiro Basso à qual se seguiram várias doações de outros farmacêuticos associados e de outras instituições.

O acervo deste museu representa 5000 anos de história da Saúde e é constituí­do por inúmeras peças de diversas origens geográficas (Egipto, Roma, Mesopotâmia, etc), sendo de salientar, a reconstituição de quatro Farmácias, como por exemplo, uma Farmácia de Macau, assim como uma farmácia portátil do século XVIII e a farmácia portátil levada a bordo do Space Shuttle Endeavour na missão STS-97. Mostra também diversas máquinas e aparelhos utilizados pelas boticas no fabrico e armazenamento de medicamentos, como almofarizes, vasos de botica, frascos de farmácia de vidro, balanças, matrazes, farmácia portátil utilizada por Roald Amundsen na expedição ao Polo Norte em 1911, farmácia portátil usada por Carlos Sousa no Lisboa Dakar 2006, etc. Uma das peças mais raras em exposição é uma Pedra de Goa.

O Museu da Farmácia também pode ser visitado no Porto (Zona Industrial - Ramalde), cuja colecção abrange 500 milhões de anos da história da luta do homem na cura da doença e alí­vio da dor. O espólio reúne objectos de raro valor histórico, artí­stico, antropológico e cientí­fico oriundo de civilizações e culturas tão distantes no tempo e no espaço como a Mesopotâmia, o Egipto, a Grécia, Roma, os Incas, os Astecas, o Islão, a áfrica, o Tibete, a China, o Japão entre outras. O património da farmácia portuguesa está representado pela excelente reconstituição da Farmácia Estácio do Porto, que estava localizada na Rua Sá da Bandeira.

Os Correios de Portugal editaram uma colecção de selos com imagens de algumas peças do Museu da Farmácia

A temática da Farmácia e da Saúde são abordadas com peças de extrema qualidade, oriundas de civilizações e culturas tão distantes no tempo e no espaço, como a Mesopotâmia, o Egito, a Grécia, Roma, os Incas, os Astecas, o Islão, o Tibete, a China, o Japão e, finalmente, a Farmácia Europeia desde a idade média até 1929, com o isolamento da penicilina pelo cientista inglês Fleming.

A exposição termina, com a exibição das farmácias portáteis usadas no Space Shuttle ¿Endeavour¿ na última viagem do milénio (dezembro de 2000), para além de medicamentos da Estação Orbital Mir e da comida dos astronautas russos.



Palcio de So Bento ou Parlamento de Lisboa





O Palácio de São Bento é um palácio de estilo neoclássico situado em Lisboa, sendo a sede do Parlamento de Portugal desde 1834. Foi construí­do em finais do século XVI como mosteiro beneditino (Mosteiro de S. Bento da Saúde) por traça de Baltazar álvares. Com a extinção das ordens religiosas em Portugal passou a ser propriedade do Estado. No século XVII, foram construí­das as criptas dos marqueses de Castelo Rodrigo.

Depois da implantação do regime liberal em 1834, após a Guerra civil portuguesa, tornou-se sede das Cortes Gerais da Nação, passando a ser conhecido por Palácio das Cortes. Acompanhando as mudanças da denominação oficial do Parlamento, o Palácio foi, também, tendo várias denominações oficiais: Palácio das Cortes (1834-1911), Palácio do Congresso (1911-1933) e Palácio da Assembleia Nacional (1933-1974). Em meados do século XX passou a utilizar-se, geralmente, a designação de Palácio de S. Bento em memória do antigo Convento. Essa denominação manteve-se, depois de 1976, quando passou a ser a sede da Assembleia da República.

Ao longo dos séculos XIX e XX o Palácio foi sofrendo uma série de grandes obras de remodelação, interiores e exteriores, que o tornaram quase completamente distinto do antigo Mosteiro. O interior é igualmente grandioso, repleto de alas e de obras de arte de diferentes épocas da história de Portugal. O palácio foi classificado como Monumento Nacional em 2002.

Em 1999 foi inaugurado o edifí­cio novo que serve de apoio à Assembleia da República. Localizado na praça de S. Bento o novo edifí­cio, um projeto de 1996 do arquiteto Fernando Távora, embora ligado ao palácio por acesso interior direto foi propositadamente construí­do de forma a ser uma estrutura autónoma a fim de não comprometer nem descaracterizar o traçado palaciano.



Perder-se em Alfama o melhor da cidade de Lisboa





O bairro mais antigo de Lisboa, Alfama , é um para se perder! Passeie pelos impressionantes edifícios altos e ruas estreitas, parando para um café ou porto para recarregar as baterias.

Estas estradas levam-no desde o Castelo de São Jorge até ao Rio Tejo, olhando os bonitos edifícios de azulejos ao longo do caminho.

Só posso comparar Alfama ao labirinto que é  a Cidade Velha de Edimburgo, mas numa escala muito maior (ou mais estreita?). Esta área é uma das mais populares atracções turísticas de Lisboa e apresenta muitas rotas de visitas guiadas.



Castelo de So Jorge. Lisboa





Com este post sobre o « Castelo de São Jorge » o meu passeio termina com as fortificações, casas senhoriais, torres, castelos ... de Portugal. Foram cerca de 350 estruturas defensivas que descrevemos em uma aventura que começou há doze anos e que foi refletida neste blog a partir de setembro de 2017. Foi uma aventura inestimável que me permitiu visitar todas e cada uma das fortificações descrito (com alguma exceção) e, portanto, conhecer a história e paisagem e as pessoas deste país amigável, que eu já considero meu.

Agora precisamos ver para onde ir. Talvez tenha decidido partir a partir de agora as torres, castelos e fortificações da Galiza, que têm muito em comum com Portugal. Já veremos. Pelo menos já visitou eles eram isto.

A escolha da última entrada não é acidental: Lisboa e o Castelo de São Jorge. É possível dizer algo sobre esta cidade maravilhosa e incomparável que não é conhecida? A única coisa que ao longo dos anos tenho visitado muitas vezes em Lisboa, e nunca me canso. Por sua paisagem, seu povo, seu know-how, sua gastronomia, sua cultura ... Estou apaixonada por esta cidade como nenhuma outra, em um país extraordinário que sempre me surpreende.

 

Breve revisão histórica de Lisboa Lisboa foi fundada pelos fenícios sob o nome de Ulissipo e logo foi conquistada pelos gregos e cartagineses. Finalmente, Lisboa tornou-se a capital da Lusitânia romana, chamando-se Olisipo . Com a queda dos romanos, tornou-se parte do reino da Galiza na Suábia até 585, quando se tornou parte do reino visigodo.

Em 711, como o resto da península, passou para as mãos dos muçulmanos, que lhe deram o nome de al-Usbuma . Alfonso II saqueada e realizada por dez anos a partir de 798 para 808. Mas a conquista final pelos cristãos ocorreu em 1147 por Alfonso Enriquez apoiado pela frota da Segunda Cruzada. Em 1255 tornou-se a capital de Portugal.

Um século XIV mercantil oligarquia tarde entronizado da dinastia de Avis eo período daria lugar a grandes descobertas do século seguinte aberto. A maioria das expedições portuguesas do Age of Discovery partiu de Lisboa durante os séculos XV e XVII, incluindo a partida de  Vasco da Gama  à Índia em 1497. No século XVI, a Casa de Indias enriqueceu ainda mais a cidade devido à comércio com a Ásia, África e Brasil, e se tornou o centro mais importante da Europa no comércio de escravos

Em 1580 o Duque de Alba derrotou tropas portuguesas sob a crise de sucessão eo rei espanhol Filipe II foi reconhecido como rei de Portugal.

A restauração da independência em 1640 e a grande riqueza vinda do Brasil deram a Lisboa uma nova era de grande esplendor.

O grande terramoto de 1 de novembro de 1755 destruiu Lisboa, o que deu oportunidade ao Marquês de Pombal , com as riquezas que vinham de Minas Gerais, de reconstruir a cidade da Baixa segundo um plano regular com grandes avenidas de estilo clássico.

A cidade caiu nas mãos de Napoleão em 1807, mas foi reconquistada pelos ingleses, pelo general Wellington. Em 1833 a monarquia constitucional que duraria até a proclamação da república em 1910 foi restaurada

Em 1932 foi instalada a ditadura de Salazar, que permaneceria até a "Revolução dos Cravos", em 25 de abril de 1974. No século XX, houve uma grande mudança demográfica e expansiva.

Em 1998, Lisboa acolheu a Exposição Universal, que mudou a face desta cidade maravilhosa. No mesmo ano houve o grande incêndio que destruiu o Chiado.

História do Castelo de São Jorge É possível que o lugar onde o castelo está localizado tenha alguma estrutura defensiva romana. No final da era romana a cidade tinha uma muralha que mais tarde ficou conhecida como Cerca Velha, reutilizada pelos muçulmanos e prologada até a época medieval. O que parece provado pelas descrições dos geógrafos muçulmanos que existiam naquele período, uma fortificação com muros altos e uma fortaleza poderosa.

Após a conquista cristã do castelo em 1147 por Afonso Henríquez, o castelo foi colocado sob o patrocínio de São Jorge, ao qual muitos dos cruzados que ajudaram Afonso I na conquista professavam devoção.

Mais tarde, entre 1179 e 1183, a fortificação resistiu com êxito às forças muçulmanas que devastaram a região entre Lisboa e Santarém. No século XIII, depois de ser proclamada Lisboa em 1255, o castelo atingiu o seu apogeu: Afonso III promoveu 1265 reparações no palácio do governador e o seu sucessor D. Dinis por volta de 1300 transformou a antiga fortaleza árabe no palácio real - o palácio da Alcazaba. Nesse período, os terremotos que afetaram a cidade em 1290, 1344 e 1356, também causaram danos ao castelo.

Sob o reinado de Fernando I de Portugal no contexto das chamadas guerras de Ferdinando (1369-1382), o castelo desempenhou um papel importante durante o cerco das forças espanholas em 1373 que vieram saquear os subúrbios de Lisboa. Antes disso, naquele ano, o soberano começou a construção de uma nova cerca na cidade, a chamada "Nova Nova" ou "Muralla Fernandina", concluída dois anos depois, e que se estendeu até a atual Baixa.

O perímetro desta cerca de Fernandina ascendia a cinco mil degraus, com as dimensões intramurais de três mil e cem de comprimento por mil e quinhentos de largura. Protegido por 77 torres e cubos, contava com mais de 30 portas e persianas.

Nos nossos dias quase não há vestígios destas cercas de Lisboa. Por esta razão, a Câmara Municipal de Lisboa abriu em setembro de 2014, um circuito pedonal marcado por 16 painéis com informação histórica, com o objetivo de os tornar conhecidos e valorizados.

O castelo também passou por obras de melhoria durante o reinado de Afonso V. Durante o século XIV tinha uma vida ativa em funções Paço Real, que terminaria em 1502, quando o tribunal foi transferido para Paço da Ribeira, deixando o castelo como aquartelamento, que sofrem com vários terremotos danos de entidade diferente. Essa função como quartel continuaria durante a união peninsular, além de ser usada como prisão.

Mais uma vez, entre 1657 e 1733 foram realizadas obras de modernização no castelo, segundo o projeto Manuel do Couto . O terremoto de 1 de novembro de 1755 causou grandes danos à fortaleza, em particular ao Hospital de los Soldados, erguido em 1673.

Então, quando a breve ocupação napoleônica, o marechal francês Jean-Andoche Junot usou o Castelo de São Jorge como sede ter que acabar com a revolta da cidade de Lisboa, quando a bandeira francesa foi içada no castelo

O " Castelo de São Jorge e permanece perto de Lisboa " foi classificado como Monumento Nacional desde 1910.

Finalmente, note que, em 1939, por ocasião da comemoração do centenário da Fundação e Restauração da nacionalidade (1140, 1640), obras de demolição, consolidação e restauração do castelo começou, todo o entendimento trabalho necessário para a reintegração plena do monumento. As obras, que continuaram ao longo dos anos 1940, moldaram a aparência do castelo hoje.

Em uma posição dominante na colina mais alta do centro histórico de Lisboa, o Castelo de São Jorge é um dos mais visitados por turistas, uma vez que suas paredes têm uma esplêndida vista sobre o conjunto da Baixa e do estuário do Tejo .

Após as obras da segunda metade do século XX, o conjunto oferece aos visitantes jardins e pontos de vista (incluindo a praça principal com a estátua de D. Afonso Henriques), a cidadela e da esplanada, uma câmara escura (Torre de Ulisses antiga Torre del Tombo), espaço para exposições, sala de reunião / recepção (Casa del Gobernador) e loja turística, além do Restaurante León

Breve descrição do castelo O castelo está situado no ponto mais alto da montanha onde o conjunto no qual mais acima na parede em torno da cidadela, a esplanada e os restos do Roman-muçulmano e cercas senta fernandina

O castelo é de planta aproximadamente retangular dividida em dois quadrados de braços por uma parede norte-sul com adarve. Uma porta através daquela parede comunica os dois lugares dos braços.

Os rostos sul e leste do castelo são reforçados por uma barbacã em ângulos retos. Este barbacã também tem adarve, ameias e altas brechas. Há uma pequena porta no lado leste e uma maior no lado sul, que é a entrada do castelo, que é acessada por uma ponte sustentada por dois arcos largos sobre o fosso que cerca a barbacã.

As paredes que circundam o castelo têm adarve e merlões e são reforçadas por 10 torres quadradas projetando-se para o exterior.

Entre essas torres podemos destacar a Torre Cisterna, no canto nordeste, que possui uma cisterna de pedra e uma armação de ferro. No canto sudeste encontramos a Torre do Observatório, também conhecida como Menagem, que é mais alta e que é acessada por escadas em duas seções. A conhecida Torre de Ulisses que antes era conhecida como Torre do Tombo, hoje abriga a câmera obscura que merece uma visita.

Do canto noroeste do castelo há um pedaço de muralha que desce para a Torre de São Lourenço, assim chamada porque era contígua a uma porta com esse nome. Alguns dizem que essa estrutura constituiu uma frente avançada da Mora Fence.

A CIUDADELA circunda o castelo nos lados N., E. e S. É cercada por uma cintura de paredes ameadas reforçadas por 6 torres e 2 cubos semicirculares. Para o norte, duas portas se abrem. Junte-se à porta chamada sim, Porta Norte e a outra a Porta de Martim Moniz.

Sul da cidadela abre a porta principal, chamada San Jorge, semelhante a um arco triunfal, sendo coroada por armas reais.

Esta porta dá acesso à ESPLANADA. Nesta Esplanada encontramos o Centro Museológico, localizado no que resta do antigo Paço Real, que também merece uma visita. É composto de três grandes salas:

O Hall das Colunas que abriga a coleção do período islâmico A Sala Cisterna, que recebe peças do resto do tempo, desde a pré-história até o século XVIII, quando o terremoto de 1755 causou grande destruição, passando pela Idade Média. A Sala Ogival que serve de recepção e área de serviço. Site Castelo São Jorge https://castelodesaojorge.pt/

Biblioteca-Museu Repblica e Resistncia Lisboa





A Biblioteca-Museu República e Resistência é uma biblioteca pública que faz parte das bibliotecas municipais de Lisboa. Encontra-se situada na Rua Alberto de Sousa, 10-A, em Lisboa, junto à Cidade Universitária.

Foi inaugurada, inicialmente, no bairro operário mandado construir por Francisco de Almeida Grandella, na Estrada de Benfica. Este equipamento da Câmara Municipal de Lisboa disponibiliza ao público uma biblioteca, um auditório e uma sala de exposições, bem como dinamiza o questionamento de temas relacionados com Lisboa, a República, a Resistência e a Maçonaria.

O átrio da Biblioteca-Museu República e Resistência conta com um mural pintado por Maria Keil.

Este equipamento disponibiliza ao público uma biblioteca, um auditório e uma sala de exposições, e dinamiza os temas relacionados com Lisboa, a República, a Resistência e a Maçonaria. O átrio da BMRR conta com um mural pintado por Maria Keil.



Museu Calouste Gulbenkian - Ba do Tesouro de Lisboa





O famoso Museu Calouste Gulbenkian alberga uma abundância de obras de arte de valor inestimável de todo o mundo, incluindo tesouros egípcios antigos, porcelana Qing, poltrona de Maria Antonieta e pinturas de mestres europeus. Uma visita a este museu facilmente fará com que você passe meio dia para se entregar à arca do tesouro da cidade.



Igreja de Santa Catarina (Lisboa)





A Igreja de Santa Catarina foi construí­da no século XVI, em Lisboa, por Catarina de áustria. No dia 1 de novembro de 1755, o grande terramoto e o subsequente incêndio que vitimou a cidade de Lisboa, destruí­ram boa parte do edificado. O edificado foi reconstruí­do em 1757. O incêndio em 1835 destruiu boa parte da edificação. A Igreja do Convento dos Paulistas passa a ser paroquial, sob o orago de Santa Catarina, em 1835.

Fundada pelos religiosos de São Paulo da Serra de Ossa, a então designada Igreja do Santíssimo Sacramento foi edificada na 2ª metade do séc. XVII, a partir de 1654, adossada ao Convento dos Paulistas.

O órgão inaugurado no iní­cio do século XVIII que resistiu ao grande terramoto de 1755 foi recuperado em 2018 por Dinarte Machado.



Turismo em Portugal

Explora restaurantes museus hoteis e muito mais em Portugal