Quando neva em Trás-os-Montes, os rapazes entretêm-se a fazer boloiros. Sobem a uma encosta declivosa. Formam uma bola de neve. E empurram-na, sem grande esforço, ladeira abaixo. E a bola vai apanhando a neve que encontra no caminho. Pouco a pouco, transforma-se em boloiro. E ali fica, no largo da aldeia, para admiração de quem passa.

Assim se realizou o acervo do Museu de Vila Real. A pequena bola fez-se com nove moedas romanas compradas a três crianças e com um machado neolítico oferecido por um colega.

Vieram moedas de toda a província, aos milhares: vários quilos de folles do Castro das Curvas, de Cadaval, de São Caetano e de Paredes de Alvão; 750 antoninianos do Reguengo, 120 denários de Mosteirô, 18 quilos de folles de Vila Marim, 3840 antoninianos de Santulhão, 30 quilos de folles de Émeres; e muitas outras moedas, cujo âmbito cronológico balizámos entre o século V a.C. e o século VIII d.C. Formou-se a colecção de Numismática.

Deram-nos as aras de Três Minas, entregaram-nos o espólio das antas do Alvão e do Castelo do Pontido, adquirimos a arqueologia de Vila Marim e do Padre Plácido, confiaram-nos as colecções da Família Borges e da Família Taveira, bem como as colunas romanas de Vale de Telhas e de Sabroso. Outras peças fomos juntando. E conseguiu-se a colecção de Arqueologia.

Estas colecções foram a causa. A Câmara Municipal foi o agente. O Museu é o efeito




INFORMAÇÕES DE CONTACTO


TELEFONE