Santo Amador A referência mais antiga que se conhece feita à freguesia é uma carta concedida por D. João I a 9 de Novembro de 1396. Nela, é coutada a herdade da Barrada. Esta é a primeira vez que este nome aparece referindo-se a uma herdade. Outra carta de 1452 refere “dois casais nas Barradas”. Esta carta indica-nos o que eventualmente poderá ser o embrião de um aglomerado urbano - os casais mas mais importante e seguro que isso define já as Barradas como um sítio, onde se localizam, entre outros, dois casais, e não apenas uma herdade. Nesta altura a Barrada ou Barradas é já uma unidade territorial.

No ano de 1600, nos livros de pagamento de impostos, é mencionado já claramente a Barrada como unidade administrativa independente, ou seja, é referida a Barrada como uma paróquia.Dela faziam parte as herdades que compõem hoje, grosso modo, a freguesia, e é essa a razão pela qual sabemos que a antiga freguesia da Barrada é hoje a freguesia de Santo Amador.

 partir daí é fácil perceber que com uma aldeia física e socialmente estruturada rapidamente o nome da aldeia passaria também a ser o nome da freguesia. Se no exemplo que é referido da freguesia de S. Pedro da Adiça é mais fácil perceber a mudança de nome da freguesia uma vez que a igreja paroquial e a aldeia se encontravam em sítios distintos, em Santo Amador a aldeia cresceu em torno da igreja paroquial.

Quanto a nós a mudança de nome poderá estar associada ao facto de ter sido o surgimento e o crescimento da aldeia de Santo Amador que permitiram que das cinco antigas freguesias de campo do concelho de Moura só esta se tenha mantido. Ou seja a partir de meados do século XIX e até ao seu término quando são extintas as freguesias de campo por não terem capacidade de “sustentar” o pároco, já Santo Amador abandonou essa categoria para figurar como aldeia do termo de Moura.