As 10 melhores coisas para fazer no inverno em Monumentos no Porto

As 10 melhores coisas para fazer no inverno em Monumentos no Porto

Igreja dos Carmelitas das mais bonitas do Porto





A Igreja dos Carmelitas ou Igreja dos Carmelitas Descalços localiza-se na freguesia da Vitória, na cidade do Porto, em Portugal.

Começou a ser construí­da em 1616 e ficou concluí­da em 1628. A decoração do interior só viria a ficar pronta em 1650.

A igreja pertencia ao extinto convento, hoje ocupado pela Guarda Nacional Republicana.

O convento das freiras do Carmo foi edificado no século XVII, a pedido de uma família nobre de Aveiro. As obras iriam arrastar-se por cerca de 200 anos, e a Igreja das Carmelitas, como ficou conhecida, só foi concluída nos finais do século XVIII.

Vale a pena ver o interior do templo, de uma riqueza quase sedutora, onde o dourado da talha se mistura com o azul e o branco dos azulejos, contrastando com as cores fortes das pinturas do tecto.

Foi classificada como Monumento Nacional a 3 de Maio de 2013, em conjunto com a Igreja do Carmo adjacente.

Igreja do séc XVII cuja fachada clássica data da década de cinquenta do séc. XVIII, e o seu projecto tem sido atribuído ao arquitecto-pintor Nicolau Nasoni. O retábulo-mor foi considerado uma peça estilisticamente revolucionária, na talha rococó portuense. Edifício classificado como monumento nacional.



Ponte de D. Lui­s Porto





A Ponte Luí­s I ou Luiz I, é uma ponte em estrutura metálica com dois tabuleiros, construí­da entre os anos 1881 e 1888, ligando as cidades do Porto e Vila Nova de Gaia (margem norte e sul, respetivamente) separadas pelo rio Douro, em Portugal.

Esta construção veio substituir a antiga ponte pênsil que existia no mesmo local e foi realizada mediante o projeto do engenheiro belga Théophile Seyrig, que já tinha colaborado anteriormente com Gustave Eiffel na construção da Ponte de D. Maria Pia, ferroviária.

A ponte foi inaugurada em 1886 (tabuleiro superior) e 1888 (tabuleiro inferior e entrada em total funcionamento).

 



Mosteiro de São Bento da Vitória no Porto





O Mosteiro de São Bento da Vitória localiza-se no Morro do Olival, na cidade do Porto, em Portugal. Situado no coração do Porto, freguesia da Vitória, o Mosteiro de São Bento da Vitória – classificado Monumento Nacional em 1977 – é um dos edifícios religiosos mais importantes da cidade.

Em função do que tinha sido determinado no Mosteiro de Tibães, os beneditinos entraram no Porto com o intuito de construí­rem um mosteiro na cidade, o que veio a acontecer depois de resolvidos alguns entraves, embora a construção só tenha terminado cerca de um século depois do seu iní­cio, corria o ano de 1707.

Durante a Guerra Peninsular uma parte do mosteiro foi ocupada pelas tropas invasoras francesas e posteriormente pelas portuguesas, tendo-se servido dele como hospital militar.

No que diz respeito à Igreja de São Bento da Vitória foi desenhada pelo arquitecto Diogo Marques Lucas, discí­pulo do italiano Filipe Terzio, em estilo clássico já deturpado pela Contrarreforma, com uma harmonia, solidez e proporções equilibradas.

Depois de ter servido de quartel, a administração da igreja e parte do mosteiro foram, confiadas aos beneditinos do Mosteiro de Singeverga, sendo lá instalado o Arquivo Distrital, assim como a Orquestra do Porto.



Sé do Porto visita obrigatória





A Sé / Catedral da cidade do Porto, situada no coração do centro histórico da cidade do Porto, é um dos principais e mais antigos monumentos de Portugal. 

Esta construção de estilo românico começou no século XII. Várias mudanças até o século XX não conseguiram diminuir sua austeridade um tanto primitiva. A sacristia, o claustro e os belos azulejos (azulejos) que cobrem as suas galerias, bem como a capela, datam do período gótico. Uma linda rosácea do século XIII se destaca na frente oeste. As pinturas de Nasoni, o retábulo de talha dourada entalhada e o altar de prata do Santíssimo Sacramento são dignos de nota. A missa ainda é celebrada lá, mas se é a tranquilidade que você procura, não perca o claustro.

 

Entrada gratuita. Pense em pagar 3 euros por pessoa para a visita do claustro. A Sé Catedral também é um ótimo lugar para se ter uma visão de 360 graus do Porto .



Igreja de São Pedro de Roriz





A Igreja de São Pedro de Roriz localiza-se na freguesia de Roriz, concelho de Santo Tirso, distrito do Porto, em Portugal. Constitui-se em um dos mais belos exemplares da arquitectura românica do Douro Litoral.

A imensidão da pedra e a profundidade da rosácea, decorada com temas vegetais, contrastam com a simplicidade da cruz que remata a fachada principal.

À medida que nos aproximamos, não há como não reparar em toda a escultura figurativa.

Nos quadrúpedes de duplo corpo ligados pelo focinho no ângulo do capitel.

No busto que espreita de um pequeno óculo. São trabalhos da oficina de Paço de Sousa. O portal é de arco quebrado. Com três arquivoltas, decoradas com bolas. Espaçadas. O tímpano é liso. 

A igreja tem planta retangular, bem alongada, alçados bastante elevados e telhado de duas águas. A atual sacristia está do lado sul da cabeceira.

A fachada lateral norte da nave apresenta uma pequena porta de duas arquivoltas em arco quebrado, um nível de mísulas lisas de apoio de um antigo coberto lateral, e três frestas muito altas e estreitas.



Castro do Monte Padrão Santo Tirso





O Castro do Monte Padrão ou antigo Castro do Monte Córdova (ou apenas Castro do Padrão) é constituí­do por vestí­gios de um povoado fortificado que se situa num dos pontos mais elevados do Monte Padrão, a cerca de 7km a sudeste de Santo Tirso, na freguesia de Monte Córdova.

Está implantado num remate em esporão sobre o rio Leça. Terá sido fundado no século IX a.C. e ter-se-á mantido povoado até à Baixa Idade Média. Está classificado pelo IPPAR como Monumento nacional pelo Decreto de 16 de Junho de 1910 e pelo decreto 38 491 de 6 de Novembro de 1951.

O Monte Padrão constitui uma das principais referências culturais do concelho de Santo Tirso. O imóvel, pelas características únicas que evidencia, ocupa um lugar de destaque no panorama da arqueologia do norte de Portugal, cujo interesse científico tem vindo a ser patente nos resultados das intervenções arqueológicas realizadas nas duas últimas décadas.



Tongóbriga Estação Arqueológica do Freixo





Cidade romana edificada entre o final do séc. I e o início do séc. II sobre o que terá sido um castro.As estruturas que foram até agora identificadas – áreas habitacionais, necrópoles, fórum, teatro e edifício das termas – expressam a importância desta localidade, que chegou a ascender a civitas.Uma autêntica viagem ao passado é o que se propõe a quem visita Tongobriga. Situada na freguesia do Freixo, no concelho de Marco de Canaveses, tem como cartão-de-visita os vestígios arqueológicos de uma antiquíssima cidade romana. Classificada pelo IPPAR como monumento nacional, a Estação Arqueológica do Freixo é a prova de que Tongobriga representava um importante centro de atração e decisão no final do século I e início do século II. Numa área de cerca de 50 hectares, são visíveis os vestígios das termas, do fórum, zonas habitacionais e uma necrópole.Como não poderia deixar de ser, a aldeia desenvolveu-se em torno deste achado arqueológico. O núcleo urbano do Freixo tem sido sujeito a diversas obras de recuperação e restauro, mas mantém as características de uma aldeia tradicional, com as suas casas de granito, o património religioso, as leiras cultivadas e as suas gentes. Enquanto passeia pela aldeia, dedique especial atenção à Casa do Freixo e à Igreja Matriz. Percorra a pé a rota "Dos Flávios à D. Mafalda". Por antigos caminhos e vias romanas, deslumbre-se com a paisagem da região!



Pelourinho da Póvoa de Varzim





O Pelourinho da Póvoa de Varzim é constituí­do por uma coluna de pedra com a esfera armilar de D. Manuel I, assente sobre degraus. Simboliza a renovação do foral à Póvoa de Varzim, em 1514, por D. Manuel I, depois de várias reclamações dos poveiros ao rei sobre a jurisdição do mosteiro de Santa Clara, que tinha direitos sobre o concelho desde 1318. emblema do Rei D. Manuel que renovou o foral à Póvoa de Varzim, em 1514. Esta esfera armilar é a única peça do pelourinho primitivo erigido naquele ano e reconstruído em 1854.



Parque de Serralves no Porto





O Parque de Serralves é um espaço verde, que se estende por 18 hectares e que envolve o Museu de Arte Contemporânea (Fundação de Serralves), edifí­cio projectado pelo arquitecto Siza Vieira, na cidade do Porto, em Portugal.

Ao longo do parque obras de arte de vários artistas contemporâneos estão expostas, ao lado da flora tí­pica da Região Norte de Portugal, como carvalhos, bétulas e o teixo.

O projecto para o jardim da Casa de Serralves foi encomendado pelo Conde de Vizela ao arquitecto Jacques Gréber em 1932. O parque resulta de processos de desenho de uma paisagem ao longo de mais de um século, constituindo uma unidade temporal e espacialmente complexa, incluindo vestí­gios de um jardim do século XIX, a Quinta do Mata-Sete, o jardim da Casa de Serralves, assim como a paisagem do Museu de Arte Contemporânea.

A origem do Parque de Serralves remonta a 1923 quando Carlos Alberto Cabral, 2º Conde de Vizela, herda a Quinta do Lordelo, propriedade de veraneio da família à Rua de Serralves (então nos arredores do Porto), e a sua história divide-se em três momentos: os traços do jardim de finais do século XIX da Quinta do Lordelo e a Quinta do Mata-Sete, o jardim de Jacques Gréber para a Casa de Serralves, e a paisagem do Museu de Arte Contemporânea. Provavelmente desenhado por um dos viveiristas da cidade, e inspirado nos modelos vitorianos de final de oitocentos, o jardim da Quinta do Lordelo desenvolvia-se nas traseiras da casa com canteiros de formas orgânicas enriquecidos por espécies ornamentais.  Com uma área menor do que a presente, a propriedade seria sucessivamente ampliada pelo Conde de Vizela com a aquisição de terrenos adjacentes, num processo de compras que se prolongaria até aos anos 40, atingindo os atuais 18 hectares. A Quinta do Mata-Sete, também propriedade da família e herdada pelo irmão do Conde de Vizela, é integrada nesta ampliação por permuta com propriedades urbanas. Na altura da sua inclusão era já caracterizada por estruturas edificadas – pavilhão de caça, celeiro, lagar e casa dos caseiros. 

Igreja de Santa Maria de Airães





A Igreja de Santa Maria de Airães está situada no Lugar do Mosteiro, freguesia de Santa Maria de Airães, concelho de Felgueiras. Nas Inquirições de 1221 a igreja surge como ecclesia de Araes, no julgado de Felgueiras. Declarado Monumento Nacional pelo Decreto 129/77 de 29 de Setembro.

Esta Igreja integra a Rota do Românico.

A Igreja de Santa Maria de Airães é um significativo exemplar da longa permanência do padrão construtivo da época românica no Tâmega e Sousa.Data do final do século XIII, embora esteja documentada desde 1091. Apesar de apresentar três naves, da construção românica, originalmente de uma só nave, conservam-se a cabeceira e a parte central da fachada ocidental. O portal principal revela capitéis fitomórficos e um friso com um padrão de laçaria de sabor céltico.

O atual edifício não corresponde à data de fundação da Igreja, a qual está documentada desde 1091. Nas Inquirições de 1221 a Igreja surge como ecclesia de Araes, no Julgado de Felgueiras.

Há registos, efetuados por Francisco Craesbeeck, em 1726, da existência de uma inscrição junto ao púlpito, entretanto desaparecida, referente ao ano de 1184.

O padroado da Igreja conheceu sucessivas transferências, pertencendo à Coroa em 1394, vinculado à Ordem de Aviz. Em 1517 constituiu-se como comenda da Ordem de Cristo.

No entanto, o aspeto tardio de alguns dos elementos da sua construção aponta para um edifício do final do século XIII ou mesmo do início do século XIV.









O que visitar e conhecer em Portugal

O que visitar em Portalegre os 12 melhores sitios

O que visitar em Portalegre os 12 melhores sitios

Castelo de Castelo de VideO Castelo de Castelo de Vide, no Alentejo, localiza-se na freguesia de Santa Maria da Devesa, povoação e concelho de Castelo de Vide, distrito de Portalegre, em Portugal. Em posição dominante no alto de uma colina a norte da serra de São Mamede, revestia-se de importância estrat&ea...
O que fazer em Odemira os 10 melhores pontos turisticos

O que fazer em Odemira os 10 melhores pontos turisticos

Praia da Zambujeira do Mar Integrada no Parque Natural da Costa Vicentina e Sudoeste Alentejano, a Praia da Zambujeira do Mar está rodeada por falésias altas, de onde se pode apreciar um deslumbrante panorama sobre o oceano. Banhada por um mar de ondulação forte, com boas condições para a prática de...
Os 12 melhores locais para visitar em Albufeira

Os 12 melhores locais para visitar em Albufeira

Praia da Oura AlbufeiraA Praia da Oura é uma praia situada no sí­tio denominado Oura, em Areias de São João, concelho de Albufeira. Dispõe de Bandeira Azul Situa-se a leste da Praia dos Aveiros e a oeste da Praia de Santa Eulália. Tem cerca de 900 m de comprimento por 450 metros de largura na maré...
As 10 melhores actividades para fazer e visitar em Coimbra

As 10 melhores actividades para fazer e visitar em Coimbra

Associao Acadmica de CoimbraO complexo académico Associação Académica de Coimbra começa a ser construído em 1954, segundo o projecto dos arquitectos Alberto José Pessoa e João Abel Manta. Constituídas por um conjunto de vários edifícios, nos quais se congregam var...