Castelo de Arraiolos um dos mais belos e emblemticos do mundo Alentejo





O Castelo de Arraiolos, também conhecido como Paço dos Alcaides, localiza-se na vila, freguesia e concelho de Arraiolos, no distrito de Évora, em Portugal. Destaca-se por ser um dos raros castelos de planta circular, no mundo.

O Castelo de Arraiolos é considerado um dos mais belos e emblemáticos do mundo pela revista Port.com.

Arraiolos tem assim mais um motivo de orgulho, desta vez com o património que outrora defendeu as fronteiras do seu território e que hoje é uma atracão turística imperdível.

Das inúmeras fortificações que se encontram erguidas desde a Idade Média no território português, de norte a sul do país, a revista escolheu 12 castelos, considerados como os mais bonitos de Portugal e emblemáticos do mundo.

O Castelo de Arraiolos, data de construção de 1305, é um dos poucos no mundo com arquitetura circular, a edificação interior encontra-se um pouco degradada pelo tempo, embora as muralhas elipsoidais e o seu vasto relvado se encontrarem em excelente estado de conservação. Localizado no cimo do monte de São Pedro, proporciona uma vista 360 graus sobre a planície alentejana.



Universidade de vora





A Universidade de Évora foi fundada em 1 de Novembro de 1559 pelo Cardeal D. Henrique, Arcebispo de Évora, mais tarde Rei de Portugal, a partir do Colégio do Espí­rito Santo. Foi instituí­da por bula do Papa Paulo IV, como Universidade do Espí­rito Santo e entregue à Companhia de Jesus, que a dirigiu durante dois séculos. Em 1759 foi encerrada por ordem do Marquês do Pombal, aquando da expulsão dos Jesuí­tas.

Voltou a ser aberta em 1973, por decreto do então ministro da Educação, José Veiga Simão. No mesmo local onde a antiga Universidade fora fechada, foi criado o Instituto Universitário de Évora (IUE). Em 1975 foi criada a Escola Superior de Estudos Sociais e Económicos Bento de Jesus Caraça pelo Decreto-Lei n.º 513/75, de 20 de Setembro, procurando substituir o Instituto Superior Económico e Social de Évora (ISESE), fundado em 1964 - por iniciativa da Companhia de Jesus e da Fundação Eugénio de Almeida - que suspendeu as actividades lectivas na sequência do 25 de Abril de 1974. Em 1976, a Escola Superior de Estudos Sociais e Económicos Bento de Jesus Caraça é extinta e os seus alunos são integrados no recém-criado Departamento de Economia do IUE.



Castelo de Portel Alentejo





O Castelo de Portel,no Alentejo, localiza-se na vila, freguesia e concelho de mesmo nome, distrito de Évora, em Portugal.  Monumento Nacional Séc. XIII-XVI - Fundado por D. João Peres de Aboim em 1261, o castelo foi alvo de uma significativa campanha de obras dirigida pelo arquiteto Francisco Arruda, no reinado de D. Manuel I, da qual se destaca a edificação do Paço dos Duques de Bragança e da Igreja de São Vicente no interior do recinto, hoje em ruínas. O amuralhamento da chamada “Vila Velha” observou-se entre os finais do século XIII e princípios do seguinte.

 

Em um dos contrafortes da serra de Portel, ergue-se em posição dominante sobre a vila medieval. Nas vizinhanças merecem visita, além do castelo, a Igreja Matriz da Vera Cruz, as grutas de Algar e a barragem do Alqueva.

 

É uma fortaleza localizada na zona conhecida como Alentejo, que pertence pela sua vez à vila, freguesia e concelho do mesmo nome e que forma parte do Distrito de Évora em Portugal. O Castelo de Portel foi construído nos fins do século XIII por D. João Peres de Aboim, nobre muito próximo do Rei D. Afonso III, quem serviu-lhe incluso como mordomo-mor e também desempenho o cargo de governador de Algarve, região localizada na zona meridional de Portugal.



Castelo de Monsaraz Alentejo





O Castelo de Monsaraz, no Alentejo, localiza-se na freguesia de Monsaraz, concelho de Reguengos de Monsaraz, distrito de Évora, em Portugal.

Vizinho ao rio Guadiana e ao moderno espelho d嫇gua da Barragem de Alqueva, ergue-se sobre o monte Monsaraz, dominando a vila medieval e a fronteira com a Espanha. A sua arquitectura militar mescla elementos medievais e seiscentistas.

Monsaraz, a airosa vila medieval de Monsaraz, mantêm a sua magia de outrora como poucos lugares no mundo. Feita de cal e xisto, este lugar sussurra-nos, por entre o eco dos nossos passos nas suas ruas, magníficas histórias de reis audazes, cavaleiros templários, gentes bravas e damas de beleza singela.

Suspensa no tempo, a histórica povoação alentejana, uma das mais antigas de Portugal, é um destino obrigatório na sua lista de lugares a visitar no Alentejo. Especialmente depois de, em 2017, ter vencido na categoria “Aldeias Monumento” do concurso 7 Maravilhas de Portugal – Aldeias.

Curiosidade: Por volta de 1830 as antigas edificações da praça de armas do castelo de Monsaraz encontravam-se em adiantado estado de ruína mercê do abandono humano do edifício militar. Os habitantes de Monsaraz começaram então a erguer a "sua" praça de touros, aproveitando os materiais dessas antigas construções e tirando pedras de que precisavam de alguns troços da muralha que também se encontrava em ruína. Desde então, é tradição realizar-se nessa praça a habitual corrida de touros das Festas em honra do Senhor Jesus dos Passos.



Fonte das Bicas considerada o ex-lbris de Borba





A Fonte das Bicas ou Chafariz de Borba localiza-se em Borba, Portugal

Edificada em 1781, pela Câmara Municipal (protectora dos interesses da população no que diz respeito ao abastecimento da água), esta fonte (um dos sí­mbolos da vila de Borba), foi constituí­da Monumento Nacional em 1910, por via do Decreto de 16-06-1910, DG, n.º 136, de 23-06-1910.

A Fonte das Bicas é considerada o ex-líbris de Borba e o monumento que une todos os borbenses. Este monumento foi construído por ordem da Câmara Municipal de Borba, entre 1781 e 1785, com o projeto do Engenheiro Militar José Álvares de Barros. Este engenheiro inspirou-se nos desenhos que Carlos Mardel fizera em 1752 para as fontes da cidade de Lisboa. A Fonte das Bicas foi, assim, concebida como uma peça de ordenamento urbano, ajudando a criar uma nova praça, a atual Praça da República.

A Fonte das Bicas tinha o objectivo de ser um monumento a Borba, pelo uso dos mármores, e pela reconstituição do lago onde, segundo a lenda, se achou o barbo que deu o nome à vila.

Pela novidade que trouxe ao Alentejo, a Fonte das Bicas foi modelo para outras fontes monumentais que depois dela surgiram na região.



Anta Grande do Zambujeiro vora





Anta Grande do Zambujeiro é um monumento megalí­tico de tipo dolmen próximo de Valverde, Évora, Alentejo, Portugal, um dos maiores que existem na Pení­nsula Ibérica.

Foi construí­do entre 4.000 e 3.500 antes de Cristo. Consiste numa única câmara, utilizada durante o neolí­tico como um local de enterro e possí­veis cultos religiosos. A câmara em forma poligonal é feita de sete enormes pedras de 8 metros de altura. Originalmente eram cobertas por uma pedra com 7 metros de largura. Um corredor com 12 metros de comprimento, 1,5 metros de largura e 2 de altura conduz até a câmara. A entrada estava assinalada por um enorme menir decorado, actualmente tombado.

Uma grande quantidade de achados arqueológicos encontrados durante as escavações encontram-se no Museu de Évora. A Anta Grande do Zambujeiro foi declarada património de interesse Nacional em 1971 pelo decreto lei 516/71, de 22 de Novembro. Este monumento ilustra a capacidade técnica e a complexidade da organização social das populações neolí­ticas que o construí­ram.

A anta Grande do Zambujeiro localiza-se numa área aplanada, na margem direita da ribeira de Peramanca, nas imediações da aldeia de Valverde, a cerca de 12 km a sudeste da cidade de Évora.

Este monumento megalítico, o maior de Portugal e um dos maiores da Península Ibérica, é constituído por uma câmara de planta poligonal, formada por sete esteios de grandes dimensões (comprimento de 5,70 m; largura de 5,50 m e altura de 5 m) de granito, inclinados para o interior, coberta por uma grande laje, que atualmente se encontra no lado poente da estrutura e por um corredor de planta retangular alongado e baixo (comprimento de 8,8 m e largura de 2,8 m), formado por 16 esteios e coberto por lajes dispostas transversalmente. O acesso ao monumento seria precedido por um átrio, no qual se identifica uma estela de granido de grandes dimensões. Esta anta estava envolvida por um tumulus de planta circular, com cerca de 50 m de diâmetro e 9 m de altura. Na área sudeste da colina tumular identificou-se uma estela de contorno sub-retangular, com a face decorada com cerca de 70 covinhas, que poderá ter sido erguida numa fase posterior à construção da anta.



Convento do Espinheiro Evora





O Convento de Nossa Senhora do Espinheiro é um antigo mosteiro da Ordem de São Jerónimo que se localiza nos arredores do bairro dos Canaviais, a dois quilómetros do Centro Histórico da cidade e Distrito de Évora, em Portugal.

A origem do Convento do Espinheiro está ligada a uma lenda que relata a aparição de uma imagem da Virgem sobre um espinheiro, por volta de 1400. Em 1412 foi mandada edificar uma ermida em honra de Nossa Senhora e dada a crescente importância deste local como ponto de peregrinação, no ano de 1458, durante o reinado de D. Afonso V, foi fundada a igreja e posteriormente o convento, o qual foi povoado por monges da Ordem de S. Jerónimo.

Constitui-se em um convento que remonta ao século XV, requalificado em nossos dias como hotel de luxo. Encontra-se classificado como Património Mundial da Humanidade pela UNESCO.



Castelo de Viana do Alentejo





O Castelo de Viana do Alentejo localiza-se na vila, freguesia e concelho de mesmo nome, distrito de Évora, em Portugal.

Aproximadamente equidistante das cidades de Évora e de Beja, o castelo ergue-se no sopé sul do monte de S. Vicente, em posição dominante sobre a parte antiga da vila. É considerado, juntamente com o Castelo de Alvito, um dos mais notáveis conjuntos arquitetónicos fortificados do final do perí­odo gótico.

O seu nome, Viana do Alentejo, liga-se ao tí­tulo nobiliárquico da famí­lia Meneses, primeiros condes de Viana, que se destacaram nas campanhas portuguesas do Marrocos no século XV.

 

A fortaleza de Viana teve incio nos primeiros anos da centria trecentista, reinado de D. Dinis, (1279 - 1325).Fortificao de planta pentagonal com cinco torres cilndricas, da qual desapareceram os fossos e as pontes que facilitavam o movimento de pees e de carruagens, por aterramento artificial, o Castelo mantm todavia, equilibrado nos seus volumes trecentistas e adornos Manuelino - mudjares.A entrada principal, voltada ao norte,  a nica subsistente da muralha dionsia e olhava para o Arrabalde e estrada de vora.



Igreja do Esprito Santo (vora)





A Igreja do Espí­rito Santo é um monumento religioso da cidade de Évora, estando situado no Largo dos Colegiais, freguesia da Sé e São Pedro. Encontra-se, por isso, unida ao edifício principal da Universidade de Évora. É nesta igreja que se encontra um dos mais importantes marcos artísticos da presença daquela companhia em Portugal.

A sua fundação deveu-se ao cardeal infante D. Henrique e as obras de construção foram iniciadas em 1551 e a inauguração solene  verificou-se em 1 de Novembro de 1559. Desta época destaca-se o claustro, o refeitório e o lavabo.

Sofreu aditamentos nos séculos XVII e XVIII: a Sala dos Actos Solenes com fachada barroca, as Salas de Aulas com as cátedras de madeiras exóticas de angelim e os silhares de azulejos historiados de 1744-49, e a antiga Livraria com o teto pintado a fresco (séc. XVIII).



Turismo em Portugal

Explora restaurantes museus hoteis e muito mais em Portugal